18 de Janeiro de 2012
Deficiência escolar começa no ensino básico

Veículo: 
Correio Braziliense

O volume de recursos destinado à educação básica triplicou entre 2000 e 2009. No mesmo período, também avançou o acesso de crianças e adolescentes às escolas, e mesmo assim, especialistas e educadores sugerem que muitos ainda não conseguem notas suficientes para ingressar nas universidades. “Apenas 11% dos [jovens] que concluem o ensino básico conseguem um nível razoável de absorção do conteúdo de ciências exatas, como matemática”, diz Mozart Neves Ramos, conselheiro da ONG Todos pela Educação. A falta de excelência educacional e de aperfeiçoamento também preocupam o professor Murilo Mangabeira, 27 anos, que leciona para os ensinos fundamental e médio no Distrito Federal. "É uma convenção achar que escola pública tem que se contentar com o básico. O básico não é suficiente", afirma o professor. Instituições com fraca infraestrutura e a escassez de professores com formação adequada também pesam na educação. “A falta de valorização do professor é um dos principais fatores da baixa qualidade do ensino básico, o que faz com que poucas pessoas se interessem em estudar pedagogia”, afirma Mozart Ramos.

Patrocínio
Publicações
O guia procura orientar os profissionais de comunicação para uma cobertura qualificada e contextualizada do tema oferecendo referências às políticas públicas, esclarecendo conceitos e sugerindo fontes.