20 de Abril de 2017
Entre extremos: a saúde no excesso e na escassez

Veículo: 
Revista Veja

Como bem disse a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) Margaret Chan, que esteve no Brasil no ano passado, a nutrição global atual é marcada por extremos. Segundo ela, o mundo tem 800 milhões de pessoas com fome crônica, mas também há países onde mais de 70% da população adulta está obesa ou com sobrepeso.

Panorama brasileiro

O Brasil se enquadra perfeitamente nesta equação, principalmente no que diz respeito à população infantil. Apesar da melhoria de alguns indicadores nos últimos anos, sobretudo em grandes centros urbanos, entre as populações indígenas a desnutrição infantil ainda é um problema grave, aparece como uma causa associada a muitas mortes infantis e, de acordo com o último estudo disponível pelo Ministério da Saúde, 41% das crianças indígenas com menos de cinco anos residentes na região Norte, estão abaixo do peso. A desnutrição afeta o desenvolvimento físico e mental da criança, interfere em todo o desenvolvimento psicomotor e pode contribuir para uma série de doenças, além de causar óbitos.

No outro extremo avança uma epidemia de obesidade, resultado da soma de dois fatores preocupantes no âmbito da saúde: o aumento do consumo de alimentos ricos em gordura, sal e açúcar, com baixos teores de vitaminas, minerais ou outros micronutrientes, e a diminuição da prática de atividades físicas e esportes indispensáveis para a vida saudável.

Sobrepeso e obesidade

Alguns levantamentos indicam que mais de 50% da população brasileira está na faixa de sobrepeso e obesidade. Isso sugere o risco de grande aumento de casos de infarto, acidente vascular encefálico e diabetes. Entre as crianças, estima-se que o excesso de peso já atinge 15% desta população, e que o sobrepeso e a obesidade são frequentemente identificados em crianças de cinco anos de idade, em todos os grupos de renda em todas as regiões brasileiras.

Projeto da Unicef

Neste cenário, é relevante o projeto da Unicef, realizado em parceria com várias instituições, para desenvolver e implementar intervenções estratégicas com foco em saúde e desnutrição infantil, promoção do aleitamento materno e prevenção do excesso de peso de crianças e adolescentes na Amazônia Legal, na região do semiárido e em grandes centros urbanos.

Este projeto conta com nosso integral apoio porque envolve questões essenciais para a promoção de saúde e melhoria das condições de vida da população. No tocante à obesidade infantil, não há gestor em saúde que não esteja preocupado com os riscos. Crianças com excesso de peso e obesidade apresentam uma maior predisposição para desenvolver dislipidemia, hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes e até certos tipos de câncer. Há outras consequências. Crianças ou adolescentes obesos estão sujeitos à rejeição, à constrangimentos entre os colegas, podem sofrer baixa autoestima e correm o risco de transtornos psicológicos com fortes consequências negativas na vida adulta.

Para combater a obesidade infantil é necessário rever hábitos de alimentação. O alimento natural foi substituído pelos processados, não raramente com excesso de calorias, gorduras, açúcar ou sódio. O tempo que deveria ser dedicado a esportes e práticas esportivas foi tomado pelo sedentarismo da vida moderna diante de tablets e computadores.

O desafio da Unicef, e de todos que se preocupam com a saúde, é enorme. E, talvez, tenha de passar por algo elementar como, por exemplo, fazer com que as crianças de hoje sejam capazes de diferenciar um pimentão de um rabanete, uma manga de um melão.

 

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Este guia integra uma série de publicações editadas pela ANDI – Comunicação e Direitos ao longo da última década, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da cobertura jornalística.