18 de Janeiro de 2012
Fertilização in vitro deve adotar o limite de até dois embriões

Veículo: 
Folha de S. Paulo
Diário da Franca

Mulheres que se submetem à fertilização in vitro (FIV), técnica mais usada de reprodução assistida, devem permitir a implantação de um ou dois embriões, mas nunca uma quantidade além dessa. Essa é a conclusão de um estudo realizado na Universidade de Bristol, no Reino Unido, e publicado no periódico médico Lancet. Segundo os autores da pesquisa, um número maior de embriões não garante mais sucesso no procedimento e ainda eleva o risco de gestações múltiplas, o que geralmente gera complicações. Para o estudo, foram analisados 124 mil ciclos de fertilização, que resultaram no nascimento de 33 mil crianças. Os pesquisadores também compararam as taxas de sucesso, os nascimentos múltiplos e a ocorrência de baixo peso e prematuridade nos procedimentos em mulheres de até 40 anos e com mais de 40.

Brasil -Os limites apontados pelo estudo divergem das normas brasileiras. No País, as regras definidas há um ano permitem a transferência de até: dois embriões para pacientes com até 35 anos; três para mulheres com idade entre 36 e 39; e quatro para pacientes com 40 anos ou mais. No entanto, a redução do número de embriões na FIV é uma tendência mundial, segundo Adelino Amaral Silva, presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida.

Tags:

Patrocínio
Publicações
Este guia integra uma série de publicações editadas pela ANDI – Comunicação e Direitos ao longo da última década, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da cobertura jornalística.