Análise: Cobertura sobre PPCom

Como a mídia cobre a própria midia? Estudo da ANDI investiga como se apresenta a cobertura sobre Políticas Públicas de Comunicação (PPCom) na imprensa brasileira.

Em nossa sociedade, os meios de comunicação são engrenagens centrais no ordenamento do debate público sobre os mais diversos assuntos que afetam o dia-a-dia das pessoas – política, economia, modos de comportamento, cultura, valores, etc.

A importância e a influência da mídia são tão grandes que, na esfera da Política, ela é muitas vezes conhecida como o “quarto poder”. O jornalismo, em particular, desempenha alguns papéis fundamentais para a vitalidade dos ambientes democráticos: dentre eles, levar informações contextualizadas aos diferentes públicos, agendar o debate em torno de temas fundamentais para a sociedade e garantir que as instituições que compõem a democracia, especialmente os governos, atendam às demandas e necessidades da sociedade e atuem com transparência.

O papel desempenhado pela mídia também exige que ela cumpra responsabilidades comuns às outras instituições do ecossistema democrático: por exemplo, atuarem com transparência e serem responsáveis perante a sociedade. É neste cenário que se coloca uma pergunta essencial: como a mídia, que é um dos guardiões da democracia, guarda a si mesma?

Com base nessa pergunta a ANDI realizou, em parceria com a Fundação Ford, uma análise da cobertura jornalística sobre as Políticas Publicas de Comunicação (PPC), em especial das questões relacionadas à infra-estrutura de operação dos meios de comunicação (regulação, concessões e propriedade) e à regulação dos conteúdos.

Inicialmente, a análise foi feita com base em uma amostra de 1.184 textos jornalísticos veiculados entre 2003 e 2005 em 53 diários de todas as unidades da federação e em quatro revistas de circulação nacional. Os resultados foram publicados no documento "Mídia e políticas públicas de comunicação".

Mais recentemente, os números foram atualizados, para o mesmo número de veículos, segundo amostra referente aos anos de 2006 e 2009 – estes são dados ainda inéditos, serão divulgados em breve neste portal.

Alguns dos principais resultados encontrados na primeira edição da análise (2003 a 2005) são:

  • O estudo aponta uma média de 0,19 textos publicados diariamente por jornal – ou seja, somente a cada cinco dias os diários publicaram um artigo, coluna, editorial, entrevista ou matéria sobre o tema.
  • As questões relativas ao conteúdo (qualidade, por exemplo) respondem por 50% da cobertura.
  • Questões de fundo – relações com a política (4,6%), a democracia (1,8%) e o poder (0,3%) são negligenciadas pelo noticiário.
  • Os aspectos estruturais e regulatórios (concentração da propriedade, sistema de concessões, dentre outros) também aparecem com percentuais baixos (11,7%).

O conjunto de resultados do estudo revela que há um forte desequilíbrio na composição dos conteúdos jornalísticos sobre as PPCom e a relevância da temática para as democracias. Em outras palavras, a mídia, por ser uma instituição central para a democracia, também deve ser pauta do noticiário dos meios de comunicação.

Para saber mais:

"Mídia e políticas públicas de comunicação" (ANDI, 2007).

"Medios y políticas públicas de comunicación" (ANDI, 2008) [tradução da obra para o espanhol].