12 de Maio de 2020
Childhood Brasil lança campanha “O Covid-19 também é perigoso para crianças e adolescentes”

Instituição alerta que o isolamento social pode deixá-las expostas a situações ainda mais vulneráveis

A Childhood Brasil, instituição fundada há 20 anos pela Rainha Silvia da Suécia, lançou em maio, mês de conscientização ao combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes, uma campanha para alertar sobre a situações de vulnerabilidade de meninos e meninas durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A mobilização do Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescente é realizada em 18 de maio, mas a organização decidiu
reforçar a sua comunicação já desde o incio do mês.

Criada pela World Childhood Foundation, a campanha foi adaptada pelos escritórios da institução no Brasil, Suécia, Alemanha e Estados Unidos. O conceito “O Covid-19 também é perigoso para crianças e adolescentes” alerta que além do vírus em si, o isolamento social, medida importante recomendada por diversos governos, autoridades sanitárias e a Organização Mundial de Saúde (OMS) para contenção da propagação do coronavírus, pode deixar meninos e meninas expostos a situações de maior
vulnerabilidade.

A campanha orienta com dicas do que fazer neste momento de isolamento social. Para os adultos traz a importância de estarem mais presentes nas atividades cotidianas de meninos e meninas sob sua responsabilidade e orientá-los que a maioria das regras que se aplicam na vida real, com relação a proteção e segurança, também valem para o ambiente digital. Para crianças e adolescentes lembra que ninguém tem o direto de agredir fisicamente ou verbalmente em casa, no ambiente on-line ou em qualquer outro lugar, e conversar com um adulto de confiança e denunciar é um dos caminhos para a autoproteção. No site da organização se encontram mais dicas do que fazer e uma lista dos canais de denúncia disponiveis.

A Childhood Brasil sabe que interrupções na escola e na vida cotidiana de crianças e adolescentes, fazendo com que percam o contato com adultos protetores aumentando sensivelmente o tempo que passam online, e o possivel aumentos das tensões nas relações intrafamilires em virtude do estresse, podem levar ao aumento da violência doméstica, aliciamento (contato através de meios digitais com crianças e adolescentes para fins sexuais) e maior disseminação de material sexual envolvendo meninas e meninos.

“Ainda é um tabu falar de violência sexual de crianças e adolescentes, e acreditamos que é nosso papel como organização, que luta contra isso há 20 anos, dar luz e levar o assunto para a ‘rua’. A mobilização do Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescente é realizada em 18 de maio, mas queremos que ela ajude a promover a conscientização sobre a causa. É preciso falar do que esta acontecendo e poder orientar pais, cuidadores e as crianças e, assim, mudarmos esta realidade que é uma das piores violações de direitos humanos contra as nossas crianças e adolescentes”,
explica Roberta Rivellino, presidente da Childhood Brasil.

A Rainha Silvia da Suécia gravou um vídeo de apoio aos cuidados com crianças e adolescentes durante o período de pandemia. O material foi desenvolvido em quatro idiomas: português, inglês, alemão e sueco.

Além do filme com a Rainha, a campanha de conscientização conta com anúncio para jornal e revista e peças digitais para mídia on-line. Durante todo o mês de maio, a Childhood Brasil publicará em suas redes sociais oficiais (LinkedIn, Facebook e Instagram) conteúdos relacionados à campanha e também criou uma página especial sobre o tema no seu site: https://www.childhood.org.br/covid. Link para vídeo da S.M. Rainha Silvia da Suécia: https://www.youtube.com/watch?v=CuMJoOE11SY.

Dicas de como proteger crianças e adolescentes da violência sexual durante a pandemia
• Previna, essa é a melhor forma de proteger crianças e adolescentes;
• Dialogue de forma franca e sincera sobre as partes íntimas do corpo e privacidade. E reforce que a criança ou adolescente pode e deve dizer NÃO quando quiser;
•Oriente as crianças e adolescentes sobre quais são as situações de risco e como ela pode se proteger;
• Explique para a criança ou adolescente que “segredos” não são uma coisa boa;
• Fale para crianças e adolescentes que elas devem escolher um adulto em quem confiem e se sintam seguras para falar sobre questões e situações que não as deixam confortáveis.

Como agir em casos de violência sexual contra crianças e adolescentes?
• Se você SUSPEITAR que uma criança ou adolescente está sendo vítima de violências, denuncie. Os canais são: Disque 100 / Ligue 180 / APP Direitos Humanos BR /Delegacia On-Line;
• Se você PRESENCIAR ou TESTEMUNHAR uma situação de violência contra criança ou adolescente chame a polícia militar (ligue 190).
• Se você IDENTIFICAR um caso de violência on-line envolvendo uma criança ou adolescente, denuncie. Os canais são: Safernet / APP Direitos Humanos BR / Delegacia On-Line.

Veja dicas de como lidar com crianças e adolescentes em casa durante a quarentena
• Construa com a criança ou adolescente as regras de convivência em família;
• Estabeleça uma rotina diária, mas lembre-se de ser flexível;
• Inclua o tempo de brincar, ler, ver televisão e usar a internet;
• Busque assistir programas com conteúdo educativo e aproveite para melhorar o diálogo com a criança ou adolescente;
• Resgate brincadeiras lúdicas e manuais (desenho, pintura, entre outros) adequados a cada faixa etária;
• Inclua exercícios na rotina;
• Em idade escolar, organize e acompanhe a rotina indicada pela escola;
• Aprenda sobre redes sociais, internet e novos gadgets com as crianças e adolescentes;
• Tenha um tempo específico para cada criança ou adolescente da família;
• Elogie e oriente seus filhos de forma positiva.

Sobre a Childhood Brasil
A Childhood Brasil é uma organização brasileira que faz parte da World Childhood Foundation, instituição internacional criada em 1999 pela Rainha Silvia da Suécia. O seu foco de atuação é a proteção da infância e adolescência contra o abuso e a exploração sexual. A organização se tornou referência no país por desenvolver e apoiar projetos que vêm transformando a realidade da infância brasileira vulnerável à violência, dando visibilidade e dimensão ao problema, implantando soluções efetivas adotadas por setores empresariais, serviços públicos e educando a sociedade em geral. Para mais informações, acesse o site: www.childhood.org.br.

Mais informações para imprensa:
Pâmela Kometani – (11) 5502-5456 – pamela@giusticom.com.br
Francisco Itacarambi – (11) 5502-5461 – francisco@giusticom.com.br

 

Patrocínio
Publicações
Este guia integra uma série de publicações editadas pela ANDI – Comunicação e Direitos ao longo da última década, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da cobertura jornalística.