03 de Agosto de 2017
Mais de 4 bilhões de pessoas terão acesso à Internet móvel até o fim de 2017, diz relatório da ONU

As assinaturas de banda larga móvel devem atingir 4,3 bilhões globalmente até o fim de 2017, após um crescimento anual de 20% desde 2012, de acordo com novo relatório divulgado em 31 de julho pela União Internacional de Telecomunicações (UIT).

“O relatório mostra que importantes passos estão sendo dados para a expansão do acesso à Internet por meio da crescente disponibilidade das redes de banda larga”, disse o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao, em comunicado de imprensa.

De acordo com o relatório, 48% da população mundial já usa Internet. Entre as pessoas de 15 a 24 anos, essa proporção é de 71%.

Segundo Zhao, a conectividade digital cumpre um papel fundamental para melhorar as condições de vida das populações, abrindo portas a conhecimento, oportunidades financeiras e de emprego sem precedentes a bilhões de pessoas no mundo todo.

O relatório também mostrou que, dos 830 milhões de jovens online no mundo, 320 milhões (ou 39%) provêm da China e da Índia.

Juventude à frente do uso da Internet

Nos países menos desenvolvidos, 35% dos indivíduos que utilizam a Internet são jovens entre 15 e 24 anos, comparados a 13% nos países desenvolvidos e 23% globalmente.

Em países desenvolvidos, 94% dos jovens utilizam a Internet, enquanto nos países em desenvolvimento o percentual é de 67% e de apenas 30% nos países menos desenvolvidos.

Segundo o relatório, as assinaturas de Internet móvel aumentaram mais de 20% no mundo a cada ano desde 2012.

Nesse período, os países mais pobres registraram o maior crescimento das assinaturas de banda larga móvel. No entanto, o número de assinaturas para cada 100 habitantes nestes países continuou sendo o mais baixo (23).

De 2012 a 2017, o número de conexões de banda larga fixa aumentou 9% ao ano.

O número de assinaturas de conexões de banda larga de alta velocidade também aumentou, fato que está relacionado ao aumento de conexões de fibra ótica. Tal aumento pode ser atribuído à China, responsável por 80% das assinaturas de conexões de banda larga fixa de 10 megas ou mais nos países em desenvolvimento.

O preço das conexões de Internet móvel como percentual do PIB per capita caiu pela metade entre 2013 e 2016. A Internet móvel é mais barata que a banda larga fixa na maior parte dos países em desenvolvimento.

Acesso por gênero

Apesar de a desigualdade de gênero em relação ao uso de Internet ter diminuído na maior parte das regiões desde 2013, a proporção de usuários homens se mantém maior do que a proporção de usuárias em dois terços dos países.

Em 2017, a taxa global de acesso à Internet por homens é de 50,9%, em comparação a 44,9% por mulheres. No entanto, o número de usuárias de Internet nas Américas é maior do que o percentual de homens.

O relatório mostrou também que as Tecnologias de Informação e Comunicação (conhecidas como TICs) continuam cumprindo um papel fundamental para alcançar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Segundo o diretor do Escritório de Desenvolvimento de Telecomunicação do UIT, Brahima Sanou, as TICs continuam sendo ferramentas facilitadoras para o desenvolvimento econômico e social, construindo pontes digitais e promovendo uma economia digital inclusiva.

A Conferência Mundial do Desenvolvimento das Telecomunicações 2017, com o tema “TICs para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”, será realizada em Buenos Aires, na Argentina, de 9 a 20 de outubro.

Clique aqui para acessar o relatório completo (em inglês).


Fonte: ONU Brasil

 

Patrocínio
Petrobras
Publicações
Esta publicação, que integra atividades desenvolvidas pela Rede ANDI América Latina, apresenta uma visão ampla de 10 temas centrais para que a região avance na garantia, promoção e proteção dos direitos de crianças e adolescentes no campo da mídia.