18 de Maio de 2017
Sociedade Brasileira de Pediatria se mobiliza para apoiar campanha nacional de doação de leite

No próximo dia 19 de maio será comemorado o Dia Mundial de Doação de Leite Humano. A data foi instituída pela Lei 13.227/2015 e tem por objetivo sensibilizar a sociedade para a importância do leite humano para o bom desenvolvimento da criança.  O Ministério da Saúde lançou na última terça-feira (16) uma ampla campanha nacional para conscientizar a população para a importância de doar leite materno. O leite doado ajuda a salvar vidas porque ele é destinado a recém-nascidos prematuros ou gravemente doentes, cujas mães ainda não têm condições de amamentar.

“Apesar de o Brasil possuir a maior e mais complexa rede de bancos de leite humano, existe uma carência muito grande de leite humano nos bancos de leite. A demanda é muito maior que a oferta. As mulheres que amamentam muitas vezes não sabem que é possível doar leite sem prejudicar a oferta de leite ao seu próprio filho. Pois a produção de leite de uma lactante depende da demanda. Se a mulher amamenta o seu filho e doa leite, ela terá leite para as duas coisas. E ela poderá incorporar a retirada de leite para doação na sua rotina diária, sem muitas dificuldades” garante a presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno, dra. Elsa Giugliani.

Para a pediatra, a data tem o papel crucial de disseminar a informação, pois poucas pessoas, incluindo lactantes e profissionais de saúde, sabem o suficiente sobre doação de leite humano, a ponto de consideraram essa opção. Nem mesmo a informação de que os bancos de leite usualmente vão buscar o leite nas casas das doadoras é de amplo conhecimento. O pediatra, que tem por missão a promoção da saúde da criança, pode participar de forma ativa desta campanha estimulando a doação de leite nos consultórios e ambulatórios.

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil possui o maior banco de leite humano do mundo. O país é, ainda, referência internacional em doação de leite materno. A data comemorativa foi criada a partir da Carta de Brasília 2010, documento assinado por representantes dos 23 países integrantes da Rede Mundial de Bancos de Leite Humano que utilizam tecnologia brasileira no processamento e controle de qualidade do leite humano ordenhado.

O leite materno  doado passa por um controle de qualidade físico-químico e microbiológico nos bancos de leite humano e só então são enviados para a distribuição. Atualmente existem no Brasil mais de 200 bancos de leite humano distribuídos por todo o território. Além de 150 postos de coleta.

Segundo dados da Rede Brasileira de Bancos de Rede Humana, desde o início do ano, 52.142 crianças receberam leite dos bancos de leite, de um total de 46. 480 lactantes doadoras. A região Sudeste registra a maior taxa de doação (13.970), enquanto a Região Nordeste foi a maior receptora (13.235).

Toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite humano. Para doar, é preciso ser saudável, não tomar nenhum medicamento incompatível com a amamentação, não fumar mais de dez cigarros por dia, não beber álcool ou usar drogas ilícitas e realizar exames como hemograma completo e anti-HIV quando o cartão de pré-natal não estiver disponível.

A doação atende a critérios de prioridades. São prioritários: recém- nascido prematuro ou de baixo peso que não suga; recém-nascido infectado, especialmente com enteroinfecções; recém-nascido em nutrição trófica; recém-nascido portador de imunodeficiência; recém-nascido portador de alergia a proteínas heterológas; e casos excepcionais, a critério médico.

Vale destacar que a doação ajuda que recebe, mas também a mulher que doa, já que a ordenha evita ingurgitamento mamário, conhecido popularmente como leite empedrado, e outros problemas da mama puerperal na mulher que tem um grande excedente lácteo.

Os pediatras precisam estar preparados para orientar as mães doadoras. Abaixo, uma série de recomendações do Departamento Científico de Aleitamento Materno da SBP:

COMO ORIENTAR UMA ORDENHA

  • Massagear as mamas com a ponta dos dedos, fazendo movimentos circulares no sentido da aréola para o corpo.
  • Colocar o polegar acima da linha em que acaba a aréola.
  • Colocar os dedos indicador e médio abaixo da aréola.
  • Apertar o polegar contra os outros dedos até sair o leite.
  • Desprezar os primeiros jatos de leite (0,5 a 1 ml).
  • Em seguida, abrir o frasco, colocando-o de baixo da aréola.
  • Apos terminar a coleta, fechar bem o frasco.
  • Explicar a nutriz que nos primeiros minutos o leite não sai, ou sai em pequena quantidade e que isso ocorre até a liberação do reflexo de ocitocina. Esclarecer também que o tempo de ordenha varia de mãe para mãe, podendo demorar de 15 minutos a mais de uma hora, principalmente nos casos de ingurgitamento mamário severo.

PREPARO DO FRASCO PARA GUARDAR O LEITE

  • Lave um frasco de vidro (de boca larga) com tampa de plástico rosqueável, retirando o rótulo e o papel de dentro da tampa.
  • Coloque o frasco e a tampa em uma panela, cobrindo-os com água.
  • Ferva-os por 15 minutos, contando o tempo a partir do início da fervura
  • Escorra-os, com a abertura voltada para baixo, sobre um pano limpo ate secar.
  • Feche o frasco sem tocar com a mão na parte interna da tampa.
  • O ideal é deixar vários frascos preparados.

HIGIENE PESSOAL ANTES DE INICIAR A COLETA

  • Use uma touca ou lenço para cobrir os cabelos.
  • Coloque uma fralda de pano ou máscara sobre o nariz e a boca.
  • Lave as mãos e os braços até o cotovelo com água e sabão.
  • Lave as mamas apenas com água.
  • Seque as mãos e as mamas com toalha limpa.

LOCAL ADEQUADO PARA RETIRAR O LEITE

  • Escolha um lugar confortável, limpo e tranquilo.
  • Forre uma mesa com pano limpo para colocar o frasco e tampa.
  • Evite conversar durante a retirada do leite.

COMO GUARDAR O LEITE COLETADO

  • Anotar na tampa do frasco fechado a data e hora em que realizou a primeira coleta do leite e guarde imediatamente no freezer ou no congelador.
  • Se o frasco não ficou cheio, pode ser completado em outro momento.
  • Para completar o volume de leite no frasco já congelado, utilizar um copo de vidro previamente fervido por 15 minutos para coletar o novo leite. Apos a fervura, escorrer, com a abertura voltada para baixo, sobre um pano limpo ate secar.
  • Colocar o leite extraído sobre o que já estava congelado até faltarem dois dedos para encher.
  • Guardar imediatamente o frasco no freezer ou no congelador.
  • Quando o frasco de vidro estiver completo, a mãe deve ligar para o Banco de Leite Humano. Se em 10 dias, apos congelar o primeiro leite, o frasco não estiver completo, a mãe poderá ligar para o Banco de Leite Humano e fazer a doação, pois qualquer quantidade é importante.

 

Patrocínio
Petrobras
Publicações
O guia procura orientar os profissionais de comunicação para uma cobertura qualificada e contextualizada do tema oferecendo referências às políticas públicas, esclarecendo conceitos e sugerindo fontes.