Teatro acessível da Escola de Gente circula por seis cidades do país em parceria com a Vale

Compartilhe

Turnê promove a campanha “Teatro acessível: arte, prazer e direitos” com apresentações e oficinas de teatro gratuitas

Cultura com acessibilidade para mais seis cidades brasileiras. Seguindo com seu compromisso de reforçar o conceito de sociedade inclusiva através de iniciativas culturais, a ONG Escola de Gente dá início, em agosto, a mais uma turnê com o grupo teatral Os Inclusos e Os Sisos. Com o patrocínio da mineradora Vale, através da Lei Rouanet do Ministério da Cultura, o projeto levará o espetáculo Ninguém Mais Vai Ser Bonzinho – Em Esquetes para diferentes regiões do país: Açailândia (MA), dias 19 e 20 de agosto; Governador Valadares (MG), dia 11 de setembro;  Itabirito (MG), no dia 16 de setembro; Mangaratiba (RJ), em 23 se setembro; Campo Grande (MS), dias 29 e 30 de setembro, e Marabá (PA), dias 2 e 3 de outubro.

A turnê integra a Campanha Teatro Acessível. Arte, Prazer e Direitos. Idealizada em 2011 pela Escola de Gente, a campanha tem o objetivo de garantir mais autonomia e participação de pessoas com deficiência, mobilidade reduzida e baixo letramento, entre outras condições, na vida cultural de suas cidades. Em 2013, por sua exemplaridade, a campanha foi incorporada como ação e conteúdo de política pública pelo Ministério da Cultura. Como desdobramento da campanha, foi aprovado recentemente na Comissão de Constituição e Justiça, o projeto de lei que institui o Dia Nacional do Teatro Acessível, uma iniciativa que tem como principal objetivo garantir o incentivo e a observância à acessibilidade nos locais e espetáculos culturais. Agora o projeto segue para o Senado Federal, para que seja oficializado o dia 19 de setembro como o dia da acessibilidade plena.

Com direção de Mariana Rebello, o espetáculo Ninguém mais vai ser bonzinho – Em Esquetes contará com todos os recursos de acessibilidade na comunicação previstos em lei: intéprete de Libras, legenda eletrônica, audiodescrição das cenas, programas em braile, visita guiada ao cenário, atendimento prioritário para pessoas com deficiência e reserva de assentos para pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida. Todo esse esforço conjunto da Escola de Gente, da Vale e do Ministério da Cultura vai ao encontro do que determina a legislação brasileira e internacional sobre Direitos Humanos, especialmente o Estatuto da Criança e do Adolescente, a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência da ONU, ratificada no Brasil pelo Decreto Legislativo 186/08 e Decreto Federal 6.949/09, e o Decreto 5.761/06.

Livro inspira peça – Baseada no livro homônimo da jornalista e fundadora da Escola de Gente, Claudia Werneck, recomendado por Unesco e Unicef, a peça Ninguém mais vai ser bonzinho tem como tema central a urgência em se promover uma sociedade inclusiva, passando da fase de conscientização para a de ação. O livro, publicado no ano de 1996 pela WVA Editora, especializada em inclusão, é vendido também em formatos acessíveis e se tornou a primeira obra no Brasil a tratar do tema a partir da Resolução 45/91, assinada pela ONU em 1990.  Apresentado pela primeira vez em 2007, com direção de Diego Molina, Ninguém mais vai ser bonzinho é um espetáculo que revela cenas sutis de discriminação no dia a dia, apresentadas com muito bom humor.

Os Inclusos e os Sisos: Teatro de Mobilização pela Diversidade – O projeto foi iniciado em 2003 pela atriz Tatá Werneck, que mobilizou outros estudantes da Faculdade de Artes Cênicas da UniRio. Juntos, aceitaram o desafio de colocar o teatro, especialmente o humor, a serviço de temas como inclusão, acessibilidade, diversidade e direitos. Atualmente o grupo está na sua oitava geração de jovens artistas dedicados/as a colocar a arte a serviço da Inclusão. Este ano, o projeto foi premiado como um dos mais inovadores do mundo, numa seleção feita pelo programa Zero Project Innovative Practices, da organização austríaca Essl Foundation, que em parceria com o World Future Council e o Bank Austria, reúne e cataloga a mais completa coleção de experiências  exitosas pela garantia de direitos de pessoas com deficiência. Desde a criação do grupo até hoje, mais de 60 mil pessoas com e sem deficiência já assistiram aos espetáculos teatrais gratuitos  e acessíveis em todo o Brasil.

Oficinas de teatro – Além de assistir aos espetáculos, o público também poderá participar de oficinas de teatro, ministradas pelo grupo Os Inclusos e os Sisos com a supervisão da Escola de Gente. As Oficinas de Teatro Acessível foram criadas pela Escola de Gente no ano de 2010 para fazer com que artistas e produtores culturais experimentem impasses e encontrem soluções para sempre garantir o direito à participação e à comunicação de pessoas com deficiência em espetáculos de teatro, dança, concertos musicais, etc. As oficinas têm vagas limitadas e as inscrições podem ser feitas através do e-mail [email protected]

Escola de Gente – Na última década, a Escola de Gente trabalha para que as políticas públicas se tornem inclusivas, ou seja, que garantam direitos humanos também para quem tem deficiência e vive na pobreza, especialmente crianças, adolescentes e jovens. A participação em conselhos, produção e disseminação de marcos teóricos e metodologias próprias, formação de juventudes em mídias acessíveis em universidades, comunidades e favelas, criação de indicadores, consultorias e distintas ações na área da cultura são papéis desempenhados pela Escola de Gente. Desde a sua fundação, em 2002, a ONG já sensibilizou mais de 400 mil pessoas de 16 países das Américas, África, Oceania e Europa, além de contar com parceiros/as da sociedade civil, governos, Ministério Público da União, conselhos de direitos, cooperação internacional e empresas. Por sua atuação, a Escola de Gente recebeu 21 reconhecimentos nacionais e internacionais, como o “Prêmio Direitos Humanos 2011” da Presidência da República na categoria “Direitos de Pessoas com Deficiência”. É a mais alta condecoração do Estado brasileiro na área dos Direitos Humanos.

Patrocínio Vale – A Vale investe em diversas iniciativas que contribuem com o desenvolvimento da sociedade, pois acredita no potencial transformador da cultura e do conhecimento. Em todo o país, são apoiadas diversas iniciativas nos segmentos Cultural e Técnico-institucional e o patrocínio ao projeto Teatro Acessível pelo Brasil reforça sua diretriz de atuação voltada para a democratização do acesso à cultura.

Veja a programação completa:

Açailândia (MA)
19/08 – Apresentação – 19h
20/08 – Oficina de teatro (das  9h às 12h) e Apresentação (19h)
Local apresentação: Ginásio da Escola Municipal Sarah Kubitscheck (Antigo CAIC)
Avenida do Contorno, S/N – Bairro Jardim Glória
Local oficina: Auditório da Escola Municipal Sarah Kubitscheck (Antigo CAIC)

Governador Valadares (MG)
11/09 – Apresentação única – 10h
Local apresentação: Teatro Atiaia – AV. Brasil 2920-  Centro
Oficina de teatro – das 15h às 18h
Local oficina:  Centro Cultural Nelson Mandela – Rua Afonso Pena, 3269, Centro

Itabirito (MG)
16/09 – Apresentação única – 10h
Local apresentação: Casa de Cultura Maestro Dungas (Rua Carlos Michel, 1 – Centro)
Oficina de teatro – das 19h às 22h
Local oficina:  APAE Itabirito  (Rua Dr. Eurico Rodrigues, 378 – Praia)

Mangaratiba (RJ)
23/09 – Apresentação e Oficina de teatro
Local: a definir

Campo Grande (MS)
29/09 – Apresentação – 16h
30/09 – Apresentação – 16h e Oficina de teatro – das 9h às 12h
Local das apresentações: Teatro SESC Horto – Rua Anhanduí n. 200, Centro
Local oficina: Casa de Ensaio (R. Visc. de Taunay, 203 – Amambai)

Marabá (PA)
02/10 – Apresentação
03/10 – Apresentação e Oficina de teatro
Local: a definir

Fonte: Escola de Gente