12 de Fevereiro de 2021
Moradoras de Cordeirópolis restauram bonecas encontradas no lixo para crianças carentes

Veículo: 
Globo.com

Brincar de boneca é algo comum durante a infância e, quando essa fase passa, muitos desses brinquedos acabam sendo descartados no lixo, não tendo a oportunidade de fazer parte da infância de outras crianças. Pensando nisso, moradoras da cidade de Cordeirópolis (SP) estão restaurando bonecas para doarem às crianças da cidade. Dona Geisa Crispim de Jesus Santos tem 64 anos e é funcionária da Cooperativa Eldorado, empresa que faz reciclagem na cidade. É ela quem encontra os brinquedos no meio de todo o material que chega na empresa e de onde essa história começou. “Eu sempre encontrei bonecas na reciclagem. Quando minha neta era criança, eu levava essas bonecas pra ela brincar, então resolvemos repassar esses brinquedos”, explicou. O trabalho é feito em conjunto por recicladora e costureiras para garantir a alegria da garotada. Geisa é natural de Sergipe e mora em Cordeirópolis há 17 anos com sua neta Maria Eduarda de Jesus Santos, de 14 anos. Por conta da idade, ela não brinca mais com as bonecas que ganhou da mãe. “Por causa disso, entrei em contato com a Fátima e disse que queríamos doar essas bonecas e foi aí que ela teve a ideia”, contou Geisa. Fátima Celin é, atualmente, vice-prefeita da cidade e colabora em um projeto do município, com crianças e adolescentes, que têm atividades culturais e esportivas, além da sala de brinquedos. Mas por conta da pandemia do novo coronavírus, as atividades foram suspensas - e com isso, os brinquedos recolhidos por Geisa ficariam parados.“Com as atividades suspensas, decidimos entregar os brinquedos do Centro de Convivência para as crianças no fim do ano, mas como não eram suficientes para todas, entramos em contato com a dona Geisa para ela guardar as bonecas que encontrasse”, contou Fátima. Foi aí que surgiu a ideia de restaurar as bonecas guardadas como presentes para as crianças. Fátima procurou duas mulheres que já tinham um trabalho artesanal com a comunidade de Cordeirópolis, inclusive até fazendo máscaras para doar à população durante a pandemia. As restauradoras Dona Sônia da Silva tem 62 anos e é natural de Minas Gerais. Ela conta que ficou muito feliz com o convite, pois já tem uma história relacionada à restauração de bonecas. Quando ela e sua família se mudaram para Cordeirópolis, a mãe de Sônia demorou a se adaptar com a nova realidade. Iracema Maria Rosa, que hoje tem 95 anos, teve depressão e, para ajudá-la, Sônia começou a levá-la para pescar. No caminho, dona Iracema mexia nas coisas que encontrava na rua e tinha o hábito de juntar partes de bonecas que eram jogadas no lixo por outros moradores. A distração virou presentes e Dona Iracema começou a montar bonecas para dar às netas com os pedaços que encontrava. Segundo Sônia, foi dessa maneira que sua mãe venceu a depressão. “Não tive infância porque eu nasci adulta, mas as bonecas que eu tinha eram restos de pano velho que minha mãe montava, pois não tínhamos dinheiro. Por isso eu sei da importância de um brinquedo na vida de uma criança”, constatou Sônia. Dona Mariele Santana dos Santos, de 60 anos, é da Bahia e mora em Cordeirópolis há 42 anos. Segundo a restauradora, ela nunca teve uma infância em que podia brincar por muito tempo, pois desde os 11 anos teve que cuidar de seis sobrinhos. Atualmente ela tem quatro filhos, nove netos e três bisnetos. "Minha primeira boneca foi do lixo e eu era muito feliz com ela. Hoje eu restauro essas bonecas e fico andando pela casa conversando com elas", contou. Revivendo brinquedos O processo de restauração começa com a dona Geisa, que lava todas as bonecas que encontra e as junta em caixas. Depois, a Fátima busca os brinquedos e divide entre dona Marilene e a dona Sônia, que arrumam o que for preciso nas bonecas e costuram novas roupas para o brinquedo. Desde que começaram o projeto, as moradoras receberam uma oferta de doação de 500 bonecas vindas de Limeira (SP), mas afirmam que também precisam de doações de materiais, como retalhos, linhas, entre outros materiais. “Nós queremos aumentar o projeto, não só com bonecas, mas outros tipos de brinquedos com reciclagem”, declarou Marilene. Além das doações, os brinquedos também devem encher novamente o Centro de Convivência da cidade. A prefeitura também pensa em uma campanha de sustentabilidade para incentivar a população a não jogar os brinquedos fora, e ao invés disso, doar para o projeto. Os interessados em doar bonecas ou materiais podem entrar em contato com a dona Sônia pelo telefone (19) 3546-4602 ou com a dona Marilene pelo telefone (19) 3546-6550.

Patrocínio
Publicações
Publicação mapeia os principais riscos a que estão expostos crianças e adolescentes nas cidades-sede do Mundial 2014 e apresenta as iniciativas desenvolvidas pela sociedade brasileira para garantir os direitos fundamentais desses grupos etários.