25 de Janeiro de 2021
Sociedade humanista é o útero social para a infância

Veículo: 
Correio Braziliense

A criança é a encarnação do amor que vem ao mundo para perpetuar a espécie. Sua alma é a mais próxima da fonte de vida humana. Seu corpo e seu organismo são estruturados na etapa intrauterina, em conformidade com as características genéticas que constituem o seu chamado genoma. É quando se inicia a sua exposição, via placentária, aos bons e maus estímulos do meio ambiente. Exemplo são os fatores ambientais estressantes que afetam a maioria das mulheres no exercício de suas nobres funções, induzindo-as a produzir substâncias como cortisol e adrenalina, que podem, por meio da placenta, atingir o organismo do feto causando distúrbios prejudiciais à sua formação normal.

A gravidez é uma fase bem complexa da criação de um novo ser humano. Requer assistência pré-natal não apenas médica, mas, também, psicossocial e educativa destinada às figuras materna e paterna orientando-as a respeito da relevância do seu papel para o crescimento e o desenvolvimento saudáveis do feto durante a gestação e após o parto.

Os países que investem nessa faixa etária mostram o potencial construtivo com o qual as crianças chegam ao mundo. Infelizmente, a essência dos cuidados com a qualidade humana das novas gerações não é reconhecida em nosso país. Os governos dão pouco valor às comprovações científicas que priorizam saúde e educação na infância. Tamanho desleixo para com o futuro cidadão não ocorre apenas durante sua vida intrauterina, nem somente no Brasil. O atraso da sociedade precisa ser revertido.

O psicanalista espanhol Ajuriaguerra, que atuava na França, publicou revisão histórica sobre o assunto. Deixa claro que, desde os mais remotos tempos, a infância foi a maior vítima da violência dos adultos. Destaca os períodos marcados pelo desprezo, desafeto e agressão. São os seguintes: 1 — Infanticida (da antiguidade ao século IV). É a fase histórica das mais cruéis. Foi quando o cristianismo opôs-se ao infanticídio como ato criminoso e pecaminoso; 2 — Abandono (entre os séculos 4 e 13). Parte dos infanticídios foi substituída pelo abandono, ato que culmina com a morte impiedosa das vítimas; 3 — Ambivalente (entre os séculos 14 e 16). Os dois crimes citados prevaleceram como desprezo para com as novas gerações; 4 — Intrusivo (século 18). Resultou de iniciativas voltadas para a reversão de tamanha criminalidade; 5 — Social (entre os séculos 19 e 20). Países comprometidos com o humanismo defendem a proteção da criança e o investimento em sua saúde e educação; 6 — Ajuda (do século 20 em diante). É o atual período em que poderá crescer a valorização do mérito dessa faixa etária.

O tempo passa, mas a violência contra a criança ainda persiste mundo afora. Crimes como infanticídio, abandono, abuso sexual, aborto, trabalho infantil, entre outros, são hediondas tragédias praticadas contra muitas criaturas recém-chegadas ao nosso mundo e tratadas como meras miniaturas do adulto. Sofrem a imposição de atos e fatos que nada têm a ver com a sua essência humana.

Não faltam provas de que, durante os seis primeiros anos de vida, definidos como primeira infância, o potencial de aprendizagem é bem maior do que o do adulto. É a fase em que mais cresce e se diferencia o cérebro do cidadão na sua vida pós-natal.

Uma criança de dois a três anos de idade é capaz de se comunicar por meio do idioma primitivo, que passa a conhecer e usar por conta própria. Ouve os fonemas, identifica o cenário em que se encontra, observa os gestos dos circunstantes e a dinâmica ambiental. Seu cérebro faz a devida associação interpretativa por meio da qual o infante passa a entender cada vez melhor o que ouve e iniciar a comunicação verbal. É o potencial cognitivo a ser estimulado, na faixa etária correspondente, por meio de incentivos educacionais que assegurem às novas gerações o capital cognitivo que poderão alcançar. Torna-se, assim, clara a dimensão humana da infância. Afeto, aconchego, ternura, paz e amor são ingredientes essenciais ao seu crescimento e desenvolvimento, desde a vida intrauterina.

Países da Ásia, do Pacífico, estão investindo em projetos de proteção, estímulo afetivo e educacional da infância para aumentar o capital cognitivo entendido como meta diferente e superior à do capital financeiro. Configura-se, pois, o horizonte do citado período de ajuda. Iniciativas desse teor reduzirão a violência contra criança e promoverão o progresso que as novas gerações merecem. Uma sociedade humana dedicada ao acolhimento educativo da infância será um verdadeiro útero social.

Patrocínio
Publicações
Este guia integra uma série de publicações editadas pela ANDI – Comunicação e Direitos ao longo da última década, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da cobertura jornalística.