A urgência do ensino médio

Veículo: Correio Braziliense - DF
Compartilhe

Em artigo, Mozart Neves Ramos, membro do Conselho de Governança do Todos Pela Educação e do Conselho Nacional de Educação, diz que os problemas do ensino médio não são de hoje, “já vêm de longe, e seus efeitos começam a se tornar mais nítidos agora”. Para o especialista, sem resolvê-los, o País não atingirá uma das metas do novo Plano Nacional de Educação (PNE): o de elevar a 33% o percentual de jovens de 18 a 24 anos no ensino superior. “De antemão, sabemos que essa será uma das metas mais desafiadoras do plano, em função da crise que o ensino médio vem enfrentando. Faltam professores, um currículo atraente e escola de tempo integral. Enquanto isso, o Ministério da Educação e os secretários estaduais de Educação não se entendem”, argumenta.

 

Temas deste texto: