CE: Estado faz ‘pacto’ e reduz analfabetismo infantil

Veículo: Valor Econômico - BR
Compartilhe

Em 2007, o indicador de proficiência dos alunos do 2º ano da rede pública no Ceará mostrou que 48% eram considerados não alfabetizados ou com alfabetização incompleta e apenas 30% tinham alfabetização desejável. Hoje, menos de 10% dos alunos têm problemas de alfabetização e mais de 60% têm alfabetização desejável. Governo e especialistas consideram que a principal causa dessa mudança foi a adoção do Programa Alfabetização na Idade Certa (Paic) — um projeto de gestão administrativa e pedagógica centrado na colaboração entre o governo estadual e as prefeituras. O objetivo do pacto, assinado por todas as 184 cidades, é garantir que o estudante da rede municipal esteja alfabetizado no 2º ano do ensino fundamental, aos sete anos. Na prática, o governo estadual, que dispõe de recursos e técnicos capacitados, indica como os municípios, a maioria pobres, devem conduzir suas políticas. O Paic também provê estímulos financeiros, fator crucial para municípios nordestinos, com um orçamento superior a R$ 60 milhões. Com isso, as escolas entraram na roda da meritocracia e, todos os anos, as 300 melhores recebem entre R$ 2 mil e R$ 2,5 mil por aluno do 2º ao 5º ano do ensino fundamental.

Temas deste texto: