Classes C e D poupam para as crianças

Veículo: Valor Econômico - BR
Compartilhe

Investimento rentável é aquele que começa cedo. A recomendação explica o rápido crescimento da previdência para crianças e jovens, que já é hoje o grupo etário que mais cresce nessa linha de produto. Dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (Fenaprevi) apontam que entre os meses de janeiro e setembro deste ano as reservas nesse grupo tiveram um salto de 42% sobre o mesmo intervalo de 2012, ao atingirem R$ 12.681.450. Instituições como o Itaú Unibanco registraram aumento de 82% na sua carteira de previdência para crianças e adolescentes quando se compara o período em análise. A demanda, que se verifica em todas as instituições, vem sendo puxada pelas classes C e D, que incluíram o plano de previdência entre suas prioridades. Os desembolsos mensais giram em torno de R$ 50 e a idade no momento da contração da previdência do filho – segundo o Itaú – vem caindo de 40 para 33 anos, em média, indicando uma preocupação com as crianças mais cedo.

Temas deste texto: