Colômbia inspira professores

Veículo: Extra Online - RJ
Compartilhe

Bogotá tem práticas de estímulo à leitura e uma rede de bibliotecas públicas que podem inspirar o Brasil. A capital colombiana foi a primeira cidade da América Latina a ser considerada Capital Mundial do Livro, título dado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e pela indústria editorial mundial em 2007, devido a projetos de estímulo à leitura. Assim como o Brasil, a Colômbia não tem bibliotecas escolares perfeitas e em número ideal, mas projetos desenvolvidos por colombianos já inspiram professores brasileiros. O diretor da escola Benjamín Herrera, em Medellín, Oscar Mejía Henao, já esteve três vezes no Brasil para falar da pesquisa sobre por que os alunos não gostavam de ler. Descobriu que eles queriam ter mais liberdade de escolha.

Intercâmbio – “Com a investigação, os jovens derreteram, lentamente, o autoritarismo no colégio. Os professores ficaram mais sensíveis. Quando diminuíram a pressão sobre a obrigação de ler livros clássicos e escrever relatórios sobre eles, os alunos passaram a ler muito mais”, disse Henao. Em intercâmbio promovido pelo Instituto C&A, professores de 24 escolas públicas brasileiras foram à Colômbia conhecer bibliotecas e políticas de incentivo à leitura. Os colégios receberam R$ 12 mil cada para promover a leitura e construir bibliotecas.

Temas deste texto: