Com cobertura abaixo da meta, Campinas registra perda de 1 mil doses de vacina contra pólio

Veículo: Globo.com - BR
Compartilhe

Campinas (SP) já registrou perdas de pelo menos 1.025 doses de vacina contra a poliomielite por perda de validade durante este ano, segundo dados fornecidos ao g1 pelo Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI). O número reflete o resultado da campanha que ficou abaixo do esperado e a situação se repetiu a nível nacional, o que gera temor sobre o risco de volta da doença erradicada desde 1994 no país e que pode deixar alguém paralisado.

Os dados do Devisa mostram que até 10 de novembro o total de doses perdidas na metrópole equivale ao desperdício de 41 frascos, cada um deles com conteúdo para imunizar 25 crianças de 1 a 4 anos. O total é 0,83% do total de vacinas recebidas na ação deste ano, entre 15 de agosto e 31 de outubro.

No comparativo com o ano passado, contudo, o número de doses inutilizadas após a perda do prazo triplicou: em 2021, o saldo foi de 300, igual a 0,35% sobre a quantidade disponível em Campinas.

Na campanha deste ano, a metrópole estipulou a meta de imunizar 95% do público-alvo, portanto, 55.872 das 58.813 crianças da faixa etária alvo da campanha. No entanto, ficou distante deste percentual e alcançou índice de 63,2% após imunizar 37.178.

Preocupação com vacinações

A metrópole encerrou na quarta-feira (30) a campanha de multivacinação voltada para as crianças e adolescentes de até 15 anos. Ao todo, foram imunizados 15,4 mil moradores que foram aos postos para receber vacinas contra a pólio, a BCG, imunizantes contra as hepatites A e B e rotavírus, vacina pentavalente e também doses contra caxumba, febre amarela, sarampo, rubéola, varicela e HPV.

Para estes casos, as vacinas também seguem disponíveis nos 66 centros de saúde da metrópole.

Leia mais aqui

Temas deste texto: