Coqueluche avança em Pernambuco

Veículo: Diário de Pernambuco - PE
Compartilhe

Febre, coriza, espirros e tosse. É normal associar esses sintomas a gripe ou virose, mas eles podem estar ligados a outra doença contagiosa: a coqueluche, também conhecida como tosse comprida. O número de casos confirmados em Pernambuco triplicou entre janeiro e julho deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. Oito pessoas morreram, quatro vezes mais que em 2013. No ano passado, foram confirmados 78 casos de 1º de janeiro a 21 de julho. Em 2014, o número foi de 232, com 775 casos notificados no mesmo período. Transmitida pela bactéria Bordetella pertussis, a coqueluche pode causar complicações pulmonares, neurológicas, hemorrágicas e desidratação, principalmente em crianças e idosos. O crescimento vem desde 2010 nos Estados Unidos e Europa. No Brasil, começou em 2011. Segundo pesquisadora da Universidade de Pernambuco (UPE) e pediatra infectologista do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, Analíria Pimentel, ainda não foi identificada a causa do que ela classifica como "surto".

Temas deste texto: