CPI debate dificuldades para combater o trabalho infantil doméstico

Veículo: Correio Braziliense - DF
Compartilhe

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Exploração do Trabalho Infantil da Câmara dos Deputados promove audiência pública, nesta quarta-feira (2), para discutir a "invisibilidade" do trabalho infantil doméstico. A deputada Sandra Rosado (PSB/RN), que propôs o debate, destaca que se trata de uma prática de difícil fiscalização e punição na medida em que, pela Constituição, o domicílio é inviolável, o que impede a atuação da Inspeção do Trabalho. Presidente da CPI, Rosado ressalta que, segundo o relatório Brasil Livre de Trabalho Infantil, realizado com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2011, naquela época, havia 258 mil crianças e adolescentes entre 10 e 17 anos trabalhando em domicílios de terceiros. Na faixa etária de 16 anos, há mais mulheres inseridas em serviços domésticos do que em qualquer outra atividade no Brasil. "Enquanto o trabalho infantil atinge mais os homens; no doméstico, a situação se inverte: 94% das crianças e adolescentes trabalhando em casas de família são do sexo feminino", aponta o documento.

Temas deste texto: