DF: Adolescentes trocam o ensino regular pelo acelerado

Veículo: Correio Braziliense - DF
Compartilhe

Depois de o filho repetir duas vezes a 7ª série, o cabeleireiro Sílvio Francisco de Brito, 48 anos, avaliou que a Educação de Jovens e Adultos (EJA) seria o lugar certo para o garoto de 16 anos compensar o atraso na escola. Além de Ismael Sílvio Rodrigues, outros 500 adolescentes se matricularam no Centro Educação de Jovens e Adultos da Asa Sul (Cesas) neste ano. No entanto, o filho de Silvio será um dos poucos alunos dessa faixa etária a cumprir o objetivo de acelerar os estudos. Segundo levantamento da escola, cerca de 200 meninos e meninas (40% do total) estão prestes a repetir o semestre por causa do excesso de faltas. A situação encontrada na unidade do Distrito Federal tem se repetido em todo o Brasil. Criada para receber jovens e adultos trabalhadores, a EJA está se tornando cada vez mais o destino de adolescentes com histórico de repetência. Segundo dados do Censo Escolar de 2013, divulgados pelo Instituto Nacional de Educação e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), alunos de 15 e de 17 anos já são a maioria entre os matriculados no segundo segmento da EJA, o que corresponde aos anos finais do ensino fundamental.

Temas deste texto: