DF: Disputa maior nas cotas de escola pública

Veículo: Correio Braziliense - DF
Compartilhe

 

Apesar de o senso comum de que as cotas tornam mais fácil a entrada dos estudantes nas universidades públicas, a divulgação da concorrência do 1° vestibular de 2013 da Universidade de Brasília (UnB) mostra que mais candidatos brigam por cadeira no sistema de reservas do que no tradicional. Dos 96 cursos oferecidos pela instituição, 65 são mais concorridos para quem cursou todo o ensino médio em escola pública. Os candidatos de apenas 26 graduações enfrentam concorrência maior no sistema universal. A disputa só é mais acirrada entre os inscritos pelas cotas para negros em dois cursos: licenciatura em educação artística – música; e bacharelado em letras – língua estrangeira aplicada.

Reserva – No primeiro processo seletivo com o sistema de cotas sociais em vigor, a UnB reservou 34,5% das vagas para estudantes vindos de escolas públicas ou pretos, pardos ou indígenas. A instituição manteve o sistema de cotas para negros, instituído em 2004, com 20% do total das cadeiras oferecidas. Mais 14,5% das vagas são exclusivas para cotistas, nesse caso de acordo com a Lei Federal nº 12.711, sancionada no fim do ano passado. Em quatro anos, o percentual de cotistas alcançará 50%.

Temas deste texto: