DF: Quadrilhas usam adolescentes em sequestros

Veículo: Correio Braziliense - DF
Compartilhe

É cada vez maior a participação de adolescentes envolvidos nos sequestros relâmpagos praticados no Distrito Federal. Em agosto deste ano, ocorreu um fenômeno nunca presenciado antes pelas autoridades de segurança pública: o número de jovens com menos de 18 anos autores de roubos com restrição de liberdade superou o de adultos. Em julho, 16 adolescentes infratores foram apreendidos por envolvimento no crime. No mês seguinte, esse número pulou para 25 e, em setembro, para 38. No acumulado do ano, até setembro, 554 casos foram registrados, 100 a mais do que no mesmo período de 2011.

Substituição – Para o secretário de Segurança Pública do DF, Sandro Avelar, tal inversão ajuda a explicar por que, mesmo com tantas detenções, os brasilienses continuam a sofrer diariamente com o sequestro relâmpago. "A polícia está apresentando uma produtividade muito alta. Quadrilhas (especializadas em sequestros) foram desmontadas. Mas, aí, começamos a perceber que os ataques são feitos por adolescentes. Eles também são apreendidos, mas a legislação branda impede que fiquem muito tempo internados e eles voltam a praticar o mesmo ato infracional. Torna-se um ciclo", criticou Avelar. "Lideranças de organizações criminosas estão substituindo homens por adolescentes na prática de sequestros. Esses adultos sabem da repressão sistemática da polícia e não querem se arriscar", completou.

Temas deste texto: