Dificuldades da adoção

Veículo: Estado de Minas - MG
Compartilhe

Em artigo, Luzia Ferreira, deputada estadual (PPS) em Minas Gerais e presidente da Frente Parlamentar de Apoio à Adoção, lembra que mais de 36 mil crianças e adolescentes vivem em abrigos ou casas de acolhimento no Brasil. Desse total, apenas 5.125 estão aptas para adoção, de acordo com o Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Acolhidos (CNCA). De outro lado, mais de 28 mil famílias estão na fila para oferecer os cuidados necessários para esses milhares de abrigados. “Com tantas pessoas interessadas em adotar, o que chama a atenção é a lentidão e a burocracia nos processos de adoção no Brasil. Cada processo leva, em média, de três a cinco anos para ser concluído. Um período extremamente significativo para os que vivem o dilema entre os abrigos e a Justiça”, afirma.

Medidas facilitadoras –Para a deputada, é preciso que sejam priorizados os processos de adoção de crianças acima de cinco anos, para evitar que elas mudem de faixa etária, o que faz com que suas chances de adoção diminuam com o passar dos anos. Outro ponto importante a ser adequado é que o processo deve começar com a guarda provisória em família acolhedora, em vez do encaminhamento para os abrigos, respeitando-se a ordem de inscrição de candidatos a pais adotivos.

Temas deste texto: