Estudos indicam aspirina contra pré-eclâmpsia

Veículo: Folha de S. Paulo - SP
Compartilhe

Um painel de especialistas ligado ao governo dos Estados Unidos afirmou que mulheres grávidas com risco de ter pré-eclampsia deveriam tomar uma dose baixa de aspirina diariamente. A pré-eclâmpsia é a hipertensão arterial específica da gravidez e ocorre na segunda metade da gestação. O problema pode evoluir e colocar em risco a vida da mãe e do feto. Mulheres com pré-eclampsia devem, em geral, dar à luz prematuramente para evitar complicações. A recomendação é baseada no consenso de que doses baixas de aspirina podem ser benéficas para mulheres com alto risco de ter o problema. Uma revisão de estudos publicada no "Annals of Internal Medicine" apontou que a droga reduz o risco de pré-eclampsia em 24%. Doses baixas de aspirina também reduziram o risco de nascimentos prematuros em 14%. O painel recomenda que mulheres com alto risco de pré-eclampsia tomem 81 mg de aspirina de baixa dose diariamente depois de 12 semanas de gestação. O grupo de risco inclui quem já teve o problema, mulheres com gestações múltiplas, aquelas com mais de 35 anos, obesas e quem desenvolveu diabetes ou pressão alta na gravidez.

Temas deste texto: