Mais negros e pardos nas universidades

Veículo: Jornal do Commercio - PE
Compartilhe

A quantidade de negros e pardos no ensino superior vem crescendo num ritmo mais acelerado do que o número total de estudantes do terceiro grau no Brasil. De 2011 para 2012, o universo de matrículas do grupo avançou 15,6%, enquanto o total de matriculados no ensino superior no mesmo período subiu 4,4% em todo o País. A política de cotas sociais e raciais, além de outras ações afirmativas implementadas pelos governos federal e estaduais, estão entre os fatores que explicam esse aumento. Os números fazem parte dos microdados do Censo da Educação Superior de 2012, divulgados nesta quarta-feira (30) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão ligado ao Ministério da Educação (MEC). O universo total de estudantes do ensino superior foi de 6,739 milhões em 2011 para 7,037 milhões em 2012. Nesse período, o Brasil passou de 807.199 negros e pardos frequentando cursos de graduação (11,9% do total) para 933.685 (13,2% do todo). No ano passado, 1,62 milhão (24%) se declaravam brancos. Cerca de 1,9 milhão optaram por não declarar sua cor.

Temas deste texto: