MG: Segunda etapa da vacinação é dúvida

Veículo: Estado de Minas - MG
Compartilhe

Belo Horizonte (MG) conseguiu alcançar a meta da primeira etapa de vacinação contra o HPV. Em março, mais de 80% das meninas entre 11 e 13 anos se protegeram contra o papilomavírus humano, mas o resultado da segunda etapa, que termina no fim do mês, pode não ser como o esperado. Até agora, apenas 21,6% compareceram aos centros de saúde. As sociedades brasileiras de Imunizações (SBIm), Infectologia (SBI), Pediatria (SBP), Latinoamericana de Infectologia Pediátrica (SLIPE) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) ressaltam a importância da imunização e garantem que a vacina é segura e não está comprovadamente relacionada a efeitos colaterais. O fato é que, em Bertioga, interior de São Paulo, uma menina de 12 anos voltou anteontem ao hospital depois de tomar a segunda dose da vacina contra o HPV. Ela sentiu dores de cabeça e perdeu a sensibilidade nas pernas. Na primeira etapa, 11 jovens tiveram o mesmo problema. As sociedades médicas alegam, no entanto, que não houve registro de eventos adversos graves em mais de quatro milhões de doses aplicadas em todo o Brasil na primeira etapa.

Temas deste texto: