MT tem a maior taxa de crianças abandonadas até os 9 anos do país

Veículo: Globo.com - BR
Compartilhe

Mato Grosso tem a maior taxa de abandono de crianças de até 9 anos do Brasil. O número de casos aumentou 17% no último ano, conforme o Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2022, referente ao ano de 2020 e 2021.

No estado, foram 426 menores abandonados (0 a 17 anos) em 2020 e 502 em 2021. Os crimes de abandono de incapaz de menores de 18 anos indicam situações em que a criança ou o adolescente sofre algum tipo de negligência, normalmente dos pais ou responsáveis diretos.

Mato Grosso tem a taxa mais alta entre as crianças de 0 a 4 anos. Em 2021, foram 58,4 crianças abandonadas a cada 100 mil habitantes. O índice é o maior do país. Em segundo lugar ficou Roraima, com 50,9. O estado que tem o menor índice é Ceará, com 2,1.

Entre as crianças de 5 a 9 anos, o índice mato-grossense também foi o maior: 67 abandonos a cada 100 mil habitantes no ano passado. O estado com o menor índice foi, mais uma vez, Ceará, com 1,7.

Ou seja, foram 117,9 crianças de até 9 anos abandonadas a cada 100 mil habitantes, o que representa o maior índice do Brasil. O Ceará, também com a menor taxa, registrou 3,8 abandonos.

Já na faixa etária de 10 a 14 anos, o estado ficou em 5º lugar, com taxa de 47 a cada 100 mil, estando atrás de: Amapá (60), Santa Catarina (52), Roraima (49) e Mato Grosso do Sul (48). Paraíba ficou com a menor taxa, registrando uma criança abandonada a cada 100 mil habitantes.

Entre os adolescentes de 15 a 17 anos, Mato Grosso ficou também em 5° lugar, atrás do Amapá (20,5), Mato Grosso do Sul (20), Roraima (18,9) e Santa Catarina (18,4).

O que os números dizem

Segundo a pesquisa, é possível entender que a alta tenha se dado com a retomada dos registros após o período de subnotificações observado em 2020, em razão das medidas de isolamento social decorrentes da pandemia da Covid-19.

“Também seria possível supor que o crescimento decorre da piora nas condições socioeconômicas no último ano, como o aumento dos índices de pobreza, o que pode ter resultado em uma maior quantidade de mães e pais que não possuem as condições mínimas para garantir a proteção e cuidado de seus filhos”, diz trecho do anuário.

A análise dos registros por idade indica que as maiores taxas estão nas faixas entre 10 e 14 anos, que teviveram aumento de 22,6%.

Em seguida estão as demais faixas etárias: 0 a 4 anos (19,8%) e 5 a 9 anos (19,8%). O número de adolescentes de 15 a 17 anos foi o único que teve uma redução: -8,2%.

Abandono de menores de 0 a 4 anos em MT

  • 2020: 138 casos
  • 2021: 166 casos
  • Aumento de 19,8%.

Abandono de menores de 5 a 9 anos em MT

  • 2020: 155 casos
  • 2021: 184 casos
  • Aumento de 16,5%.

Abandono de menores de 10 a 14 anos em MT

  • 2020: 103 casos
  • 2021: 124 casos
  • Aumento de 22,6%.

Abandono de menores de 15 a 17 anos em MT

  • 2020: 30 casos
  • 2021: 28 casos
  • Redução de 8,2%.

O anuário aponta que as principais vítimas têm mais de 4 anos e menos de 15 anos.

“É possível que em relação às crianças mais velhas exista uma concepção mais alargada sobre a ideia de abandono, o que diminui a notificação de situações que, mesmo que possam ser tecnicamente tidas como abandono, deixam de ser reportadas à autoridade policial”, aponta outro trecho do documento.

Os dados também apontam os índices de casos a cada 100 mil habitantes em crianças menores de 9 anos. Veja:

Taxa de abandono em crianças em Mato Grosso (por 100 mil habitantes):

Crianças de 0 a 4 anos

  • 2020: 48,7
  • 2021: 58,4
  • Aumento de 19,8%

Crianças de 5 a 9 anos

  • 2020: 57,5
  • 2021: 67
  • Aumento de 16,5%.

Crianças de 10 a 14 anos

  • 2020: 38,5
  • 2021: 47,2
  • Aumento de 22,6%.

Adolescentes de 15 a 17 anos

  • 2020: 18,4
  • 2021: 16,9
  • Redução de 8,2%.

 

Temas deste texto: