OMS promove novas diretrizes para cuidados com bebês prematuros

Veículo: UOL - SP
Compartilhe

Desde 2011, o dia 17 de novembro é reconhecido como o Dia Mundial da Prematuridade com o objetivo de dar visibilidade e sensibilizar sobre as necessidades e direitos dos bebês prematuros e das suas famílias.

Neste ano, a Organização Mundial da Saúde, OMS, lançou uma nova diretriz sobre os cuidados, orientando que prematuros sejam colocados diretamente em contato pele a pele com o cuidador, conhecido como método canguru. Isso deve ser feito imediatamente após o nascimento, sem qualquer período inicial em uma incubadora.

Bebês prematuros e pequenos

A recomendação marca uma mudança significativa em relação à orientação anterior e à prática clínica comum, refletindo os imensos benefícios para a saúde de garantir que os cuidadores e seus bebês prematuros possam ficar próximos, sem serem separados, após o nascimento.

A diretriz é direcionada para bebês nascidos antes de 37 semanas de gravidez, ou pequenos, com menos de 2,5 kg e busca melhorar a chance de sobrevivência e os resultados de saúde.

As diretrizes também fornecem recomendações para garantir apoio emocional, financeiro e no local de trabalho para famílias de bebês muito pequenos e prematuros, que podem enfrentar estresse e dificuldades com a rotina de cuidados intensivos e ansiedades em relação à saúde de seus bebês.

Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, as recomendações mostram que melhorar os resultados para esses bebês pequenos nem sempre é fornecer as soluções de alta tecnologia, mas garantir o acesso a cuidados de saúde essenciais centrados nas necessidades das famílias.

Saúde pública

De acordo com a agência da ONU, a prematuridade é um problema urgente de saúde pública. Todos os anos, cerca de 15 milhões de bebês nascem prematuros, totalizando mais de um em cada 10 de todos os nascimentos em todo o mundo, e um número ainda maior – mais de 20 milhões de bebês – têm baixo peso ao nascer. Esse número está aumentando e a prematuridade é hoje a principal causa de morte de crianças menores de cinco anos.

A OMS explica que, dependendo de onde nascem, ainda existem disparidades significativas nas chances de sobrevivência de um bebê prematuro. Enquanto a maioria dos nascidos com 28 semanas ou mais em países de alta renda sobrevive, em países mais pobres as taxas de sobrevivência podem ser tão baixas quanto 10%.

A agência de saúde adiciona que estas vidas podem ser salvas por meio de medidas viáveis e econômicas, incluindo cuidados de qualidade antes, durante e após o parto, prevenção e tratamento de infecções comuns, bem como os cuidados de mãe canguru.

A alternativa prevê uma combinação do contato pele a pele em uma tipoia ou bandagem especial por várias horas possível com um cuidador principal, geralmente a mãe, e amamentação exclusiva.

Mudança de diretriz

A OMS explica que como os bebês prematuros não têm gordura corporal, muitos têm problemas para regular sua própria temperatura quando nascem e geralmente precisam de assistência médica para respirar.

Para eles, as recomendações anteriores eram de um período inicial de separação de seu cuidador principal, com o bebê primeiro estabilizado em uma incubadora ou aquecedor. A duração seria em média, cerca de três a sete dias.

Agora, a pesquisa mostra que iniciar o método mãe canguru imediatamente após o nascimento salva muito mais vidas, reduz infecções e hipotermia e melhora a alimentação.

A médica responsável pela saúde neonatal da OMS, Karen Edmond, explica que durante o pico da pandemia de Covid-19, muitas mulheres foram desnecessariamente separadas de seus bebês.

Para ela, isso pode ser desastroso para a saúde de bebês nascidos prematuros ou pequenos. Por isso, as novas recomendações enfatizam a necessidade de cuidar de famílias e bebês prematuros juntos como uma unidade e garantir que os pais recebam o melhor apoio possível durante o que geralmente é um momento delicado.

Cuidados intensivos neonatais

Embora essas novas recomendações tenham pertinência em ambientes mais pobres que podem não ter acesso a equipamentos de alta tecnologia ou mesmo fornecimento confiável de eletricidade, elas também são relevantes para contextos de alta renda.

Assim, a OMS afirma que isso exige repensar como os cuidados intensivos neonatais são fornecidos para garantir que os pais e os recém-nascidos possam estar juntos o tempo todo.

Ao longo das recomendações, a amamentação é fortemente recomendada para melhorar os resultados de saúde de bebês prematuros e com baixo peso ao nascer, com evidências mostrando que reduz os riscos de infecção em comparação com a fórmula infantil.

Quando o leite materno não está disponível, o leite humano doado é a melhor alternativa, embora a “fórmula pré-termo” fortificada possa ser usada se não houver bancos de leite doado.

Abordagem completa

O novo guia da OMS contou com os comentários de famílias em mais de 200 estudos e recomenda o aumento do apoio emocional e financeiro para os cuidadores. As medidas incluem a defesa da licença parental e políticas de garantia que as famílias de bebês prematuros e com baixo peso ao nascer recebam apoio financeiro e no local de trabalho suficiente.

No início deste ano, a OMS divulgou recomendações relacionadas a tratamentos pré-natais para mulheres com alta probabilidade de parto prematuro.

Estes incluem corticosteróides pré-natais, que podem prevenir dificuldades respiratórias e reduzir os riscos de saúde para bebês prematuros, bem como tratamentos tocolíticos para retardar o trabalho de parto e dar tempo para a conclusão de um curso de corticosteróides.

Juntas, essas são as primeiras atualizações das diretrizes da OMS para prematuros e baixo peso ao nascer.

Temas deste texto: