Os mais frágeis fumantes

Veículo: Correio Braziliense - DF
Compartilhe

Há no planeta um esforço grande contra o tabagismo. No último sábado (31), por exemplo, autoridades de saúde, a sociedade civil organizada e outros profissionais da área se dedicaram a atividades que marcassem o Dia Mundial sem Tabaco. Ainda assim, há grupos mais expostos ao cigarro, conforme pesquisas. Homossexuais, adolescentes e os mais pobres fazem parte da lista, que, segundo especialistas, deve funcionar como um sinal de que os governos precisam adotar medidas mais eficientes e direcionadas a esse público. A pesquisa feita com 228 pessoas com16 a 20 anos, de diferentes etnias, foi a fundo na relação da vitimização com o tabaco. Michael Newcomb, principal autor do trabalho, descobriu que as dificuldades sociais de assumir a própria sexualidade estão fortemente correlacionadas com o hábito de fumar, mas que uma forte rede social pode reverter essa situação e até mesmo prevenir que o jovem se envolva com o tabaco.

Temas deste texto: