Para 70% dos jovens, o bom professor entende de internet e tecnologia

Veículo: Gazeta do Povo - PR
Compartilhe

Uma pesquisa realizada pelo Ibope e pelo Instituto Paulo Montenegro, a pedido da Fundação Telefônica Vivo, mostrou que cerca de 70% dos jovens internautas brasileiros confiam mais em professores que sabem usar internet e recursos tecnológicos como instrumentos de aprendizagem. No entanto, quando o resultado é comparado com levantamentos sobre o comportamento dos docentes, nota-se a discrepância entre a expectativa dos alunos e as opções de seus professores. Um estudo divulgado no ano passado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) mostrou que só 2% dos professores usam a internet em sala de aula. Na pesquisa da Fundação Telefônica, intitulada Juventude Conectada , 47% dos entrevistados disseram concordar totalmente com a afirmação de que um bom professor é aquele que sabe usar a internet e recursos tecnológicos para ajudar no aprendizado dos alunos. A pesquisa ouviu 1.440 jovens. Em 2013, os resultados do estudo da CGI.br, entidade oficial responsável por coordenar os serviços de web no país, mostraram que o pouco uso de internet e recursos tecnológicos por professores em sala de aula já não pode ser justificado pela falta de acesso. Depois de ouvir 1.236 professores de escolas públicas de todas as regiões do país, o estudo mostrou que 99% dos docentes são usuários de internet, 92% têm acesso em casa e 89% afirmaram que a escola onde trabalham também dispõe de conexão à rede. Apesar da distância entre aquilo que os professores fazem com tecnologia e aquilo que os alunos esperam, 47% dos estudantes afirmaram aprender mais em aulas presenciais do que em aulas on-line. Para o gerente de Inovação Social da Fundação Telefônica, Luis Fernando Guggenberger, esse resultado mostra, por um lado, que a tecnologia não substitui o professor, mas aponta também que a maior expectativa dos estudantes não está, exclusivamente, no uso de tecnologia em sala de aula, mas diz respeito à relação com seus docentes.

Temas deste texto: