PR: Falta de remédio prejudica tratamento de crianças

Veículo: Folha de Londrina - PR
Compartilhe

A suspensão da distribuição do medicamento asparaginase no Brasil, fundamental no tratamento de leucemia, preocupa desde a classe médica até pacientes e familiares. Em Londrina (PR), os hospitais do Câncer e Universitário estão com os estoques baixos e com dificuldades para adquirir mais lotes do medicamento. O problema surgiu em dezembro de 2012 quando o laboratório responsável pela fabricação internacional informou que o medicamento não seria mais produzido em virtude do baixo preço de comercialização. A distribuidora do remédio no Brasil comunicou o Ministério da Saúde (MS) que suspenderia a distribuição a partir do segundo semestre deste ano. Porém, confirmou que o estoque seria suficiente para suprir a demanda até o mês de junho. Na prática não é o que acontece.

Estoques – O Hospital do Câncer de Londrina (HCL) tem apenas oito caixas do medicamento em estoque. Segundo o diretor administrativo Edmílson Garcia, esta reserva supre a necessidade por, no máximo, 15 dias. A assessoria do HU informou que com o estoque atual é possível atender apenas os pacientes que já estão internados. Sem a aquisição de mais unidades, novos doentes ficariam sem o remédio. A instituição recebe, em média, sete novos pacientes com leucemia por mês. A asparaginase é utilizada no tratamento da leucemia linfocítica aguda (LLA), que atinge principalmente crianças.

Temas deste texto: