Programas sociais deixam 2,5 milhões de miseráveis de fora

Veículo: Folha de S. Paulo - SP
Compartilhe

Apesar dos avanços na área, os programas sociais do governo federal ainda excluem cerca de 2,5 milhões de pessoas que vivem abaixo da linha da miséria no País, de acordo com estimativa do Ministério do Desenvolvimento Social. Encontrar essas pessoas, que hoje não estão no Cadastro Único, base de dados usada para administrar os programas sociais, é essencial para a presidente Dilma Rousseff cumprir sua promessa de "erradicar" a extrema pobreza – o que só ocorrerá quando nenhum brasileiro ganhar menos que R$ 70 por mês, segundo o critério fixado pelo governo. "Pretendemos fazer [o cadastro dessas famílias] até o final do ano. A presidente já nos indicou que o processo tem que ser acelerado", disse o secretário para Superação da Extrema Pobreza do ministério, Tiago Falcão.

Temas deste texto: