Projeto amplia Bolsa-Família

Veículo: A notícia foi publicada nos principais jornais do País - BR
Compartilhe

Sob protesto do PT, a Comissão de Assuntos Sociais do Senado aprovou nesta quarta-feira (28) projeto do senador Aécio Neves (MG) que altera regra do Bolsa-Família, uma das principais bandeiras eleitorais da gestão petista. A proposta mantém o pagamento do programa por seis meses para chefes de família que ultrapassarem a faixa de renda limite para ser beneficiário. O texto segue para análise da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). O texto propõe que, em uma reanálise da concessão do programa, caso o beneficiário tenha aumentado a renda familiar, ultrapassando o limite permitido por pessoa (R$ 154), poderá continuar a receber o recurso por mais seis meses. O argumento é que o cidadão precisa garantir a estabilidade financeira antes de ser desligado. O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), apresentou relatório em separado contrário ao projeto. Para Aécio, o PT votou contra os beneficiários do programa e acusa o partido adversário de querer apenas fazer propaganda eleitoral com o Bolsa-Família.

Temas deste texto: