Relator defende as cotas raciais na UnB

Veículo: A notícia foi publicada nos principais jornais do País - BR
Compartilhe

O Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou ontem (25) o julgamento sobre a legalidade das cotas raciais na Universidade de Brasília (UnB). Único a votar, o relator da ação, ministro Ricardo Lewandowski, manifestou-se pela validade integral do sistema da UnB, que reserva 20% das vagas de cada vestibular para candidatos afrodescendentes (negros e pardos). A decisão, seja qual for, firmará jurisprudência para políticas semelhantes das instituições de ensino superior do País.

Apoio –A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou nota onde disse reconhecer os esforços do Estado e da sociedade brasileira no combate às desigualdades e na implementação de políticas afirmativas. "O Sistema das Nações Unidas no Brasil reconhece a adoção de políticas que possibilitem a maior integração de grupos cujas oportunidades do exercício pleno de direitos têm sido historicamente restringidas, como as populações de afrodescendentes, indígenas, mulheres e pessoas com deficiências", diz o texto.

Temas deste texto: Desigualdade de cor/etnia