SP: Escola que cobra mensalidade de até R$ 500 é a que mais cresce

Veículo: Folha de S. Paulo - SP
Compartilhe

Expansão de colégios de baixo custo em São Paulo (SP) confirma a crescente demanda da nova classe média por educação. Levantamento em 962 escolas da capital paulista, por meio do guia Escolha a escola, da Folha (www.folha.com.br/educacao), revela que as instituições que mais cresceram nos últimos 10 anos foram aquelas que cobram mensalidades de até R$ 500. Elas tiveram um aumento de 147% nas matrículas desde 2001. Nos colégios que cobram valores superiores em pelo menos uma das suas tapas, a alta foi de apenas 15%. Nesse período, as matrículas na rede pública caíram 14%. Segundo a amostra, 38% dos alunos da rede privada estão em escolas que custam até R$ 500 por mês.

Qualidade – Especialistas afirmam que rede privada não é sinônimo de educação de qualidade. Daniel Cara, coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, defende que trocar a escola pública pela privada de baixo custo pode ser um mau negócio. "Além de não significar qualidade, implica em um grande esforço orçamentário para as famílias", afirma. Para Priscila Cruz, da ONG Todos pela Educação, outros fatores interferem nessa decisão. "As famílias entendem que os seus filhos vão estar menos expostos à violência". Mas ela também adverte: "Não é o fato de uma escola ser particular que define a sua qualidade. Há excelentes professores em ambas as redes. Muitas vezes, são os mesmos professores da rede pública que atuam nas privadas mais baratas", explica.

Temas deste texto: