O que é a visão médica de deficiência e quais são suas consequências?

Compartilhe

Do ponto de vista estritamente técnico da medicina, a deficiência pode ser considerada uma doença. Inclusive, alguns tipos de deficiência, como a síndrome de Down, fazem parte da Classificação Internacional de Doenças (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Embora esta visão tenha prevalecido durante muito tempo, desde o início da década de 2000 a OMS passou a adotar uma outra definição de deficiência. Pela perspectiva da funcionalidade, leva-se em conta a capacidade de uma pessoa executar ou não determinadas ações e tarefas em sua vida cotidiana por estar em uma condição de deficiência adquirida temporariamente (um pé quebrado) ou pela vida toda (uma pessoa com síndrome de Down ou com sequelas de um acidente, por exemplo).

À luz da perspectiva dos direitos humanos, o enfoque médico da deficiência é limitante, pois reforça a ideia de que ela é um problema a ser solucionado, reforçando a percepção de que a deficiência é algo que escapa à normalidade. Dessa maneira, indiretamente, acaba por reforçar a exclusão.

Já a perspectiva dos direitos enfatiza a inclusão pautada pela noção de que a diferença é inerente à humanidade e pertence aos estratos mais pobres da população.

Temas deste texto: