Boticário: pesquisa destaca impacto da paternidade na educação das crianças

Veículo: Estado de Minas Online - MG
Compartilhe

Em 2022, o próximo 14 de agosto será comemorado o Dia do Pais. Estudo quantitativo ouviu mil pais de todas as regiões do Brasil e traz uma perspectiva sobre o impacto da paternidade na educação de crianças, revelando o papel e a visão desses pais diante das transformações de padrões e comportamentos contemporâneos. Intitulada Retrato da Paternidade no Brasil, a pesquisa encomendada pelo Boticário é ponto de partida da campanha de Dia dos Pais da marca e foi conduzida pela Grimpa, consultoria de pesquisa de mercado e consumer insights.

Os dados revelam que pais brasileiros entrevistados afirmam ter reduzido a fala rotineira de frases consideradas machistas após a chegada dos filhos – a expressão “seja homem” teve uma redução de 50%, enquanto “menino não chora” registrou queda de 36% – indicando uma mudança no comportamento após a paternidade.

A revisão de atitudes também pode ser percebida em outro dado: 56% dos entrevistados afirmam que consideram muito importante ser um exemplo positivo para os filhos.

Os dados conclusivos têm como fio condutor um tema atual e de interesse social, a partir de uma análise comportamental de pais brasileiros no que diz respeito à participação nas atividades diárias e educação; forma como se relaciona com seus filhos; ensinamento e transmissão de princípios; reprodução de expressões associadas a gênero; assédio e mudança de comportamento a partir da paternidade.
Quando o tema é conexão e afeto, 62% dos pais entrevistados alegam que, sempre que possível, têm o hábito de beijar, abraçar e fazer carinho nos filhos; 59% diz conversar sobre escolhas e consequências de ações; e 57% declara que tem como hábito dizer frases amorosas e encorajadoras.

Maior envolvimento emocional acerca do paternar

Os dados indicam maior participação e envolvimento emocional acerca do paternar, mas um quarto dos pais, 25%, ainda têm dificuldade de falar sobre a educação dos filhos com outras pessoas, seja porque não sente necessidade (68%), seja por não se sentirem à vontade (32%).

Diante das transformações sociais que o mundo vem passando, Marisa Camargo, diretora de pesquisa da Grimpa, afirma que é indispensável refletir sobre essa tendência à manutenção de ideias e comportamentos, transmitidos por gerações. “No mundo onde os desafios acerca da educação são muitos, é necessário trazer o pai para o centro dessa discussão. O estudo mostra uma preocupação genuína dos novos pais em deixar um legado positivo e consciência que a própria paternidade tem o poder transformador”.
Alguns dados apontam para desafios futuros partindo do retrato mais atual da paternidade e educação no Brasil. Enquanto 56% dos entrevistados declararam acreditar ser um ótimo pai para os filhos, apenas 27% afirmam que quer que seus filhos sejam felizes, mesmo que fuja daquilo que idealizou.
Ao mesmo tempo, os resultados apontam a ressignificação de alguns estereótipos acerca do papel do pai: apenas 9% dos entrevistados se declaram “pai provedor”, ou seja, que tem como principal responsabilidade garantir o sustento dos filhos; metade, 50%, consideram-se “pai participativo”, que acompanha as etapas do desenvolvimento do filho e está sempre disponível.
Responsabilidade dividida entre os responsáveis

O dado também é expressivo quando os respondentes são perguntados sobre corresponsabilidade: 90% acredita que os cuidados diários e a educação devem ser igualmente divididos entre os responsáveis.

“Quando mapeamos as oportunidades de conversa com os pais entendemos que existem novos dilemas sobre a paternidade, sobre como criar os filhos de uma forma mais afetiva e, dessa forma, promover transformações importantes nos indivíduos e na sociedade. A partir disso, buscamos o aprofundamento nesta pesquisa, que traz um retrato da realidade da paternidade no Brasil e que foi encomendada justamente para identificarmos os principais desafios – trazidos por pais, com a credibilidade de um instituto de pesquisa parceiro. A pesquisa é uma entrega da marca para a sociedade e permite reflexão para temas atuais que, consequentemente, são de interesse público”, comenta Marcela de Masi Nogueira, diretora de comunicação e branding do Boticário.

Licença paternidade

Para a executiva, a marca tem o intuito de valorizar e celebrar a paternidade participativa e estimular, também, que os pais assumam um papel cada vez mais ativo e afetivo na educação dos filhos. Além de tema central da campanha, paternidade e educação são um compromisso interno trabalhado de forma estruturada.

“Em 2021 nos tornamos uma das primeiras empresas do Brasil a oferecer a Licença Parental Universal, independentemente de gênero ou configuração familiar: são 180 dias para mães ou pessoas que gestam e 120 obrigatórios para pais não gestantes. A iniciativa fortalece os nossos compromissos pela diversidade, inclusão e equidade de gênero. E, claro, representa um passo importante para uma sociedade mais igualitária”, finaliza Marcela  de Masi Nogueira.

Sobre a pesquisa

A pesquisa reuniu respostas de mil homens com acesso à internet, das classes A, B e C, de todas as regiões do Brasil, com filhos de 5 a 15 anos.
“Participaram pais de 25 a 55 anos, cuja visão revelou a emergência de uma paternidade com novos valores e atitudes. Pais das gerações millenial e X identificam-se com uma paternidade participativa com mais expressão de afeto e diálogo, bem como a consciência do seu papel”, destaca Marisa Camargo.
Temas deste texto: