Copa agrava preocupação com exploração infantil

Veículo: Extra Online - RJ
Compartilhe

A menos de um mês da Copa do Mundo, o Ministério Público do Trabalho está especialmente preocupado com a possibilidade de haver trabalho infantil nas proximidades dos estádios durante o mundial. O procurador-chefe do MPT no Distrito Federal e no Tocantins, Alessandro Santos de Miranda, disse que causa apreensão a possibilidade de haver crianças vendendo bebidas e alimentos nos dias dos jogos. Procuradores e servidores públicos farão plantão, nas 12 cidades-sede, nos dias dos jogos, para evitar situações de trabalho infantil, acidentes de trabalho e até mesmo greves ilegais. "A gente imagina que haverá trabalho infantil nos dias dos jogos. A possibilidade de haver, no entorno dos estádios, toda sorte de trabalho, por exemplo, a venda de bebidas alcoólicas, nos preocupa muito. Qualquer trabalho infantil é proibido", disse o procurador. Ele ressaltou que a Procuradoria protocolou pedido no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para a revogação da liberação para que gandulas com idade a partir de 12 anos possam atuar na Copa. O MPT argumenta que os adolescentes poderão estar expostos a condições climáticas desfavoráveis, à pressão psicológica e a excesso de esforço físico, entre outros fatores.

Temas deste texto: