Desafio é colocar estatuto em ação, afirma ministra

Veículo: Gazeta do Povo - PR
Compartilhe

Apesar de crianças e adolescentes terem um estatuto próprio há 22 anos, ainda faltam ações práticas que garantam os direitos previstos no documento. O maior desafio é deixar de tratar isoladamente os jovens e elaborar políticas globais, como afirmou ontem (7) a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário. “Precisamos de diretrizes globais com políticas inclusivas e de promoção humana”, ressaltou a ministra durante a abertura da Conferência Estadual dos Direitos da Criança e Adolescente do Paraná. “Para isso, é necessário colocar em prática o Plano Decenal dos Direitos das Crianças e Adolescentes, em vigor desde 2011. Os governos federal, estadual, municipal, e os poderes Judiciário e Legislativo têm o dever de formular práticas que contemplem essas diretrizes, ressaltou”.

Temas deste texto: