DF: Aulas contra o preconceito

Veículo: Correio Braziliense - DF
Compartilhe

Ver um filho cabisbaixo, sem ânimo para brincar ou ir à escola, é razão de preocupação para qualquer pai ou mãe. Se o motivo for racismo dentro da sala de aula, a situação passa a ser mais complicada. Há cerca de três anos, a vendedora Vânia Beatriz de Souza da Silva, 49 anos, enfrentou um dos piores problemas da sua vida: o preconceito por causa da cor de pele contra a filha, Bruna, à época, com 13. A garota foi discriminada na unidade de ensino em que estudava e agredida com xingamentos de "macaca" e "gorila". No auge da adolescência, a menina evitava ir ao colégio. Depois de tratamento psicológico, a família se sente recuperada. Mas não totalmente. "Eu precisei ir ao colégio, tivemos que fazer tratamento, foi uma fase muito difícil. Passou. Depois, não fizeram mais isso, mas ainda sinto que ela segue com receio", revela Vânia. O pai de Bruna não soube do ocorrido durante o período porque tem o temperamento muito forte. A mãe segurou a barra para ajudar a filha a superar o momento.

Temas deste texto: