DF: Dificuldade maior nas cotas

Veículo: Correio Braziliense - DF
Compartilhe

No primeiro ano em que o Programa de Avaliação Seriada (PAS) terá um sistema de cotas, a demanda de candidato por vaga na Universidade de Brasília (UnB) mostra que a concorrência ainda é equivalente em alguns cursos e, em outros, chega a ser maior nas reservas. A área mais disputada para a seleção deste domingo é a de medicina, com 27,93 inscritos por oportunidade. Nas cotas, para quem cursou todo o ensino médio em escola pública, tem renda familiar igual ou inferior a 1,5 salário mínimo e se autodeclara preto, pardo ou indígena (PPI), a disputa por uma cadeira será entre 13 candidatos. Já os que não se enquadram no quesito de baixa renda tem concorrência equivalente ao sistema universal, de 27 alunos por vaga.

Corte – No primeiro ano de implementação da Lei Federal nº 12.711, a UnB reservou 12,5% das vagas para o novo sistema. Com o arredondamento exigido pela legislação, são 14,5% no total. Em quatro anos, no entanto, esse percentual crescerá para 50% das oportunidades destinadas aos estudantes de escolas públicas. "Não há como estimar o que vai valer mais a pena. Esse é o primeiro ano de implementação. O que vai mudar a concorrência é a opção dos estudantes da escola pública", ressaltou o diretor-técnico de graduação da UnB, Sérgio Andrade de Freitas. “A nota de corte da prova pode fazer a diferença. A dificuldade de aprovação vai depender do nível dos candidatos que disputarem uma vaga pelos dois sistemas”, completou.

Temas deste texto: