Fiscalização contra trabalho infantil envolve países da Tríplice Fronteira

Veículo: Veículo não definido - BR
Compartilhe

Nesta sexta-feira (12), Dia Mundial e Nacional de Combate ao Trabalho Infantil, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a Organização Internacional do Trabalho (OIT/Brasil), com o apoio da Rede de Apoio à Criança e ao Adolescente (RACA), divulgam o resultado das operações de resgate de crianças e adolescentes que trabalham no setor informal nas cidades da tríplice fronteira: Foz do Iguaçu (Brasil), Cidade de Leste, no Paraguai, e Porto Iguaçu, na Argentina. Durante toda a semana, os órgãos realizaram, o evento denominado Ação Conjunta de Fiscalização na Tríplice Fronteira, que faz parte do Plano Regional para Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil nos países do Mercosul. De acordo com o ministro interino do Trabalho e Emprego, Francisco Ibiapina, esta é uma ação piloto para que o trabalho possa ser feito em parceira. "A chaga do trabalho infantil é uma incidência internacional, ela acontece nos países asiáticos e em toda a América Latina", afirma. Em evento da OIT realizado esta semana em Genebra (Suíça), o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, defendeu a criação de iniciativas conjuntas entre países da América Latina, África e Ásia para acelerar a redução do trabalho infantil. "A cooperação internacional é fundamental para que nós possamos, em uma ação integrada, combater e eliminar do nosso planeta essa situação problemática e que não pode continuar", destacou Ibiapina ao se referir ao discurso do ministro Manoel Dias. Além das cidades da Tríplice Fronteira, o MTE e a OIT farão, no segundo semestre de 2015, outras operações de fiscalização: no Brasil, em Santana do Livramento, Uruguaiana e Pacaraima; na Argentina, em Paso de Los Libres, Posadas e Bernardo de Irigoyen; no Uruguai, em Rivera, e na Venezuela, em Santa Helena de Uiarén.

Temas deste texto: