Gol é acusada de discriminar criança de três anos com doença genética

Veículo: Extra Online - RJ
Compartilhe

A coreógrafa Débora Colker e sua família passaram por momentos de constrangimento após o embarque em um voo da Gol na tarde desta segunda-feira. Quando voltavam de Salvador para o Rio de Janeiro, a tripulação da aeronave exigiu um atestado com especificações da doença de seu neto, de apenas três anos, que possui epidermólisebolhosa, uma doença genética não contagiosa. O avião decolou com uma hora e meia de atraso, somente após a chegada de um agente da Polícia Federal (PF) e de um médico da Infraero. Segundo ela, a tripulação queria que sua família saísse do avião. A família disse que vai processar a Gol. Em nota, a Gol diz que está apurando o ocorrido.

Temas deste texto: