Governo federal quer afastar diretor de escola com baixo desempenho

Veículo: Gazeta do Povo - PR
Compartilhe

O plano desenvolvido pela Secretaria de Assuntos Estratégicos prevê um programa de apoio a redes de ensino e escolas públicas com problemas de qualidade. No limite, a ideia é que diretor de colégio possa ser afastado. “É no conserto de escolas ou redes escolares persistentemente malogradas que temos mais trabalho a fazer”, afirma o documento. A ideia é que uma equipe com técnicos do Ministério da Educação e das secretarias de Educação dos Estados ajude esses colégios. Não foi divulgado o que seria considerado para identificar as escolas a serem apoiadas. Também não ficou claro o que essa ação tem de diferente de um programa iniciado na gestão do ex-ministro da Educação Fernando Haddad, que prevê apoio técnico a escolas com baixo desempenho nas avaliações nacionais. “Os diretores de escolas com desempenho insatisfatório receberiam apoio e orientação. Em último caso, seriam afastados e substituídos”, afirma o texto da nova proposta. Em geral, não há hoje nas redes públicas mecanismos que afastem professores ou diretores com baixo desempenho. “É muito fácil identificar escolas com dificuldades. Difícil é conseguir mandar um técnico do MEC para cada uma delas”, disse o pesquisador e colunista Claudio de Moura Castro. “Não sei se seria viável nem se valeria a pena.” A proposta apresentada pelo governo aponta também para a criação de uma prova de certificação para os professores, em que os aprovados poderiam receber acréscimo salarial; adoção de centros de qualificação de docentes e diretores; e criação de financiamento a cursos de pedagogia e licenciatura que aceitem a implementação de “protocolos curriculares”.

Temas deste texto: