Gravidez de mulheres sexagenárias reacende debate ético sobre fertilização

Veículo: Jornal de Brasília - DF
Compartilhe

Ao menos três mulheres com mais de 60 anos deram à luz no Brasil no último ano após serem submetidas a procedimentos de reprodução assistida. No País não há uma legislação que imponha um limite máximo de idade para uma mulher gerar um filho. Na última resolução do Conselho Federal de Medicina a única restrição é em relação ao número de embriões: mulheres com até 35 anos podem implantar até dois; entre 36 e 39 anos, até três; e com 40 anos ou mais, até quatro embriões. O ginecologista Carlos Alberto Petta, do Laboratório Reprodução Humana do Hospital Sírio-Libanês, é cauteloso ao avaliar os casos. "Não há uma lei, mas existe o grande dilema ético. Não é só ter o filho, são várias questões. Por quanto tempo ela vai conseguir cuidar da criança? E se ela ficar doente? E o risco obstétrico que ela corre durante a gravidez?".

Temas deste texto: