Gravidez na adolescência: alerta precoce da desigualdade

Veículo: Correio Braziliense - DF
Compartilhe

A secretária-executiva da Comissão Econômica para América Latina e o Caribe (Cepal), Alicia Bárcena, apresenta, em artigo, dados que relacionam a ocorrência de gestações precoces a fatores econômicos e sociais. De acordo com ela, na América Latina, quase 30% das mulheres tornam-se mães durante a adolescência. “Ainda que se observe uma tendência à queda nos últimos anos, a porcentagem de adolescentes que são mães aumentou, entre 1990 e 2010, na maioria dos países com dados disponíveis (12 de 18 países) e, ainda que a maternidade se concentre no grupo de 18 a 19 anos, o aumento foi relativamente maior entre as adolescentes de 15 a 17 anos”. Bárcena aponta ainda que o número de gestações precoces é sistematicamente mais elevado na área rural do que na cidade. Persiste também uma acentuada associação entre o nível de educação das jovens e a proporção de mães. Em quase metade dos países com dados disponíveis, a maternidade na adolescência entre as jovens que chegaram no máximo ao nível escolar primário é mais do que o triplo daquelas que atingiram o nível secundário.

Temas deste texto: