Justiça condena ex-prefeito de Coari a mais de 11 anos de prisão

Veículo: Agência Estado - BR
Compartilhe

Além de Adail Pinheiro, foram condenados o ex-secretário de Governo de Coari, Adriano Teixeira Salan, a ex-servidora Maria Lândia Rodrigues, Eudes de Souza Azevedo e Osglébio Fernandes Gama O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) condenou hoje (18/11) o ex-prefeito do município de Coari, Adail Pinheiro, a 11 anos e dez meses de prisão, em regime fechado, por favorecimento à exploração sexual e abuso de crianças e adolescentes. As denúncias contra o então prefeito tiveram ampla repercussão no início do ano, quando foram noticiadas nos principais veículos jornalísticos do país. A sessão que condenou Pinheiro foi realizada na manhã de hoje, a portas fechadas, em segredo de justiça. Ainda cabe recurso à decisão. Além do ex-prefeito, o TJAM condenou outros envolvidos na ação. De acordo com a assessoria do tribunal, todas as condenações foram por unanimidade. Ex-secretário de Governo de Coari, Adriano Teixeira Salan foi condenado a 10 anos e cinco meses. A ex-servidora Maria Lândia Rodrigues ficará presa por 11 anos, enquanto Eudes de Souza Azevedo e Osglébio Fernandes Gama por 13 anos e seis meses. O desembargador observou que as diferenças entre as penas deve-se ao fato de alguns réus não terem cometido crimes pelos quais outros foram acusados. "No caso do ex-prefeito, não houve grave ameaça envolvendo arma, por exemplo", salientou Romano para explicar a razão da pena de Pinheiro não ter sido maior.

Temas deste texto: