MP investiga empresas que recusam aprendiz

Veículo: Correio Braziliense - DF
Compartilhe

O Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF) abriu 32 investigações contra empresas que não cumprem a cota mínima de jovens aprendizes em seus quadros de pessoal. Pela legislação, companhias de grande porte devem destinar entre 5% e 15% das vagas a meninos e meninas com idade entre 14 e 24 anos. Somente no ano passado, quase 80% das oportunidades que deveriam ser destinadas a esse público ficaram vagas. Empresas como Petrobras, Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Correios e Ministério da Pesca e Aquicultura estão na lista dos suspeitos de irregularidades. Estima-se que, devido ao descaso no descumprimento da norma, pelo menos um milhão de jovens perderam a chance de ocupar um posto no mercado formal, no ano passado.

Temas deste texto: