ONG quer cota racial no Ciência sem Fronteiras

Veículo: O Estado de S. Paulo - SP
Compartilhe

A ONG Educafro está cobrando do governo federal a adoção imediata de cotas raciais no Ciência sem Fronteiras. O programa pretende enviar 101 mil alunos brasileiros para uma temporada de estudos no exterior. A presidente Dilma Rousseff anunciou em julho do ano passado que o mérito não seria a única prerrogativa para a concessão das bolsas. Parte das vagas seria preenchida de acordo com questões étnicas e de gênero. Segundo o presidente da Educafro, frei David Raimundo dos Santos, a promessa não está sendo cumprida, entretanto. "Menos de 1% dos primeiros estudantes beneficiados pelo programa são afrodescendentes e de famílias de baixa renda". Os 630 universitários que compõem a primeiro grupo de intercambistas do programa embarca neste mês para os Estados Unidos.

Temas deste texto: