Para pensar – e agir – pela infância

Veículo: Diário do Nordeste - CE
Compartilhe

É de pequenino que se torce o pepino. Numa tradução de teor menos punitivo, pode-se dizer que o período da infância é decisivo para a formação do indivíduo – cognitiva, emocional e motora. Nesse processo, o aceso e a exposição a conteúdos culturais diversificados revelam-se tão importantes quanto outras garantias – educacionais, de saúde ou moradia, por exemplo. Em um país como o Brasil, que ainda enfrenta enormes dificuldades para asseverar até os direitos mais urgentes de seus cidadãos, a cultura está muito longe de ser um prioridade, em especial, na esfera da infância. A partir dessa reflexão, um grupo de profissionais ligados à área – artistas, pesquisadores, produtores – reuniu-se para formar o GT (Grupo de Trabalho) Nacional Cultura Infância, com o objetivo de discutir questões relacionadas ao tema, pensar caminhos e propor políticas públicas para o setor, especialmente a partir de um diálogo permanente com o Ministério da Cultura (MinC).

Temas deste texto: