PE: Combate ao trabalho infantil

Veículo: Diário de Pernambuco - PE
Compartilhe

Se você costuma comprar produtos oferecidos por crianças e adolescentes ou dar esmolas a esse público, precisa estar atento à campanha "Trabalho infantil não é legal. Não compre!", lançada nesta terça-feira (15) por um grupo de instituições parceiras, no Tribunal de Contas de Pernambuco. A iniciativa busca chamar a atenção aos efeitos negativos de um hábito comum. Especialistas defendem que uma criança trabalhando ou pedindo esmolas pode significar, entre outras coisas, que ela está fora da escola ou mesmo sendo explorada por algum adulto. Quando o sentimento de piedade falar mais alto, a orientação é ligar para o Disque 100, de onde a denúncia será encaminhada às instituições adequadas para apurar o caso. "Ao invés de fornecer dinheiro, é melhor depositar o valor no Fundo Municipal da Criança e do Adolescente ou doar a instituições cadastradas na Secretaria de Assistência Social", explicou o procurador do Ministério Público do Trabalho e coordenador estadual de combate à exploração do trabalho de crianças e adolescentes, Leonardo Osório.

Se constatado o trabalho infantil, os pais podem até perder o Bolsa Família ou, em casos mais graves, o poder sobre os filhos.

Temas deste texto: