PE: Nas escolas, 26% dos alunos enxergam mal

Veículo: Jornal do Commercio - PE
Compartilhe

Triagens feitas em escolas municipais da capital revelam que, em média, 26% dos alunos enxergam mal ou têm outra queixa referente à visão. Os números são do programa “Olhar Recife”, em Pernambuco, que, em parceria com a Fundação Altino Ventura, pretende avaliar até novembro crianças e adolescentes de 6 a 16 anos. Nos dois mutirões realizados no mês passado, 314 escolares com sinais de dificuldade visual passaram por exame com oftalmologista e 127, o equivalente a 40% deles, confirmaram deficiência ou problema que requer diagnóstico complementar. “É um dado preocupante, pois a dificuldade para enxergar prejudica a aprendizagem numa fase de desenvolvimento”, avalia Gilvânia Kardinally, coordenadora do Programa Saúde na Escola da Secretaria Municipal de Educação. O “Olhar Recife” existe desde 2010 e tem financiamento dos ministérios da Educação (MEC) e Saúde (MS). Segundo Gilvânia, nas duas primeiras triagens deste ano, 2,1 mil estudantes foram avaliados e 26% deles apresentaram alguma dificuldade. No universo menor, de casos confirmados, 82 alunos receberam a prescrição de óculos, já encomendados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Temas deste texto: